TECNOLOGIA

Cientistas encontram “chifres” em jovens e suspeitam de uso de celular

Apesar de não significar um problema de saúde ou oferecer qualquer perigo a quem tem o osso, os responsáveis pela pesquisa acreditam que o uso de smartphones tem algo a ver com os “chifres'


41% dos raios-x pesquisados apresentaram um crescimento anormal de ossos na parte de baixo do crânio

41% dos raios-x pesquisados apresentaram um crescimento anormal de ossos na parte de baixo do crânio Foto: Reprodução/Metrópoles

A evolução do estilo de vida da população e o uso de novas tecnologias estão diretamente relacionados às mudanças no corpo humano. Do aumento do tamanho dos pés à diminuição do número de dentes, estamos nos transformando para lidar com o mundo que nos cerca. A mais nova descoberta foi feita por cientistas da Universidade de Sunshine Coast, na Austrália, que acharam “chifres” na cabeça de jovens entre 18 e 30 anos: 41% dos raios-x pesquisados apresentaram um crescimento anormal de ossos na parte de baixo do crânio – a estimativa é que 33% da população total tenha o osso.

Apesar de não significar um problema de saúde ou oferecer qualquer perigo a quem tem o osso, os responsáveis pela pesquisa acreditam que o uso de smartphones tem algo a ver com os “chifres”. A inclinação da cabeça para frente pode estar sobrecarregando o pescoço e, de alguma forma, a conexão entre tendões e ligamentos da região se calcificou.

Os ossos novos seriam parecidos com pequenos calos, como os que aparecem quando batemos em algum lugar. Porém, as causas da formação ainda são teóricas: os pesquisadores não cruzaram a informação com o uso de celular por parte dos participantes da pesquisa e, por isso, não é possível cravar que a tecnologia é responsável pelo crescimento.



Fonte: www.metropoles.com

Próxima notícia

Dê sua opinião: