PLANEJAMENTO

Autoridades traçam plano estratégico para reforçar segurança nas escolas estaduais

SA ideia é criar uma rede de combate à violência nas escolas


Reunião discute segurança nas escolas estaduais

Reunião discute segurança nas escolas estaduais Foto: Divulgação/SSP

Autoridades estiveram reunidas nessa quarta-feira (10) para discutir a segurança nas escolas estaduais do Piauí. Na reunião estiveram presentes o Secretário de Segurança, Fábio Abreu; Secretário de Educação, Ellen Gera; Secretário de Governo, Osmar Júnior; Comandante da Polícia Militar, Lindomar Castilho; e o secretário de Estado da Assistência e Cidadania, José Santana. O principal objetivo foi traçar um plano estratégico para reforçar a segurança nas escolas.


A ideia é criar uma rede que trabalhe de forma integrada para combater os mais diversos tipos de violência que possam afetar os jovens dentro e fora das escolas. "Vários tipos de violências chegam às nossas escolas, como episódios com armas, agressões físicas, casos de abuso, brigas e drogas. Existem também casos de violência simbólica que ocorrem o tempo todo e, neste contexto, podemos citar o bullying como um exemplo. Nossos jovens estão com depressão e situações de automutilação. Além disso, casos extremos como suicídio nos deixam bastante preocupados. Com tantas situações dessa natureza, a Seduc entendeu que não é possível lidar sozinha e, por isso, propomos essa reunião para criar uma rede de combate e prevenção à violência", explicou o secretário de Educação, Ellen Gera.

Fábio Abreu disse que é preciso mapear os locais onde a violência escolar acontece de forma mais crítica. "A partir desse levantamento a Segurança pode realizar operações de combate ao tráfico ou intensificar rondas onde há casos frequentes de assaltos e arrombamentos nas escolas", explicou o secretário, sugerindo que a Seduc invista na formação de agentes de portaria. "Capacitar os agentes de portaria é muito importante para que eles aprendam a lidar com situações de risco. Isso vai ajudar a polícia a coibir alguns crimes como arrombamentos e assaltos às escolas. A Companhia Independente de Policiamento Escolar tem um trabalho importante junto às escolas, mas precisamos aproximar os diretores dos comandantes dos Batalhões de cada área para melhorar o atendimento das ocorrências e fortalecer também o SOS escolar, que é uma ferramenta importante para fazer esse atendimento de forma mais rápida", frisou Abreu.

O secretário de Governo, Osmar Júnior, destacou que a escola precisa ser reconhecida pelos alunos e seus familiares como um ambiente social seguro e, por isso, manter canais de comunicação sempre abertos com os alunos e suas famílias é fundamental. "Construir um vínculo de confiança entre escola e comunidade é muito importante, afinal, quando o aluno e a família se sentem seguros e acolhidos no ambiente escolar, ao sinal de qualquer problema eles se sentirão mais confortáveis para buscar ajuda", disse.

Durante a conversa, José Santana, secretário de Assistência Social e Cidadania, alertou que é importante envolver o conselho tutelar em reuniões com a comunidade que tratam sobre violência escolar. "Fingir que o problema da violência não existe significa negligenciar aqueles que sofrem com ele. É necessário entender e reconhecer o problema, para, só depois, estarmos preparados para buscar meios de combatê-lo e, nesse combate, o conselho tutelar pode ajudar os professores e as famílias. Estamos realizando formação de conselheiros e vamos inserir a pauta da violência escolar nos nossos debates", reforçou.

A parceria entre a Segurança e a Seduc já desenvolve diversos projetos de prevenção à violência em parceria com a Polícia Civil e Militar, como Papo com a PC, Proerd e o SOS Escolar.




Fonte: Secretaria de Segurança Pública do Piauí

Próxima notícia

Dê sua opinião: