IMIGRANTES

Autoridades intensificam debates sobre situação de venezuelanos em Teresina

Atualmente, 206 venezuelanos foram cadastrados em Teresina


Venezuelanos no Brasil

Venezuelanos no Brasil Foto: Reuters / Nacho Doce

Nesta semana, as autoridades intensificaram os debates sobre a situação dos venezuelanos que estão vivendo em Teresina. Nessa terça-feira (25), o assunto foi tema de reunião entre representantes da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi). Já nesta quarta-feira (26), a Câmara Municipal de Teresina realizará uma audiência pública para tratar da questão.

Segundo a Semcaspi, 206 imigrantes venezuelanos da etnia Warao foram cadastrados pela Prefeitura de Teresina. Na reunião de ontem, as autoridades discutiram as mudanças nos abrigos que estão recebendo os venezuelanos. O encontro foi organizado pela Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e contou também com representantes da Secretaria Estadual de Assistência Social (Sasc), Defensoria Pública, Câmara Municipal de Teresina, Caritas Arquidiocesana, Pastoral de Rua e do Movimento Pela Paz na Periferia (MP3).

Em Teresina, os venezuelanos estão acolhidos em cinco abrigos: no Mocambinho (residência), no Poti Velho (clube Piratinga), no Cento (pastoral do Povo de Rua), no  KM-07 (Centro de Convivência) e no bairro São Pedro (sede do MP3).

Segundo a Chefe de Divisão de Média Complexidade da Semcaspi, Layla Paiva, os imigrantes que estão acolhidos no Mocambinho, Pastoral de Rua e na Sede do MP3 serão transferidos para o prédio do Centro Social Urbano do bairro Buenos Aires.“São cerca de 100 pessoas que serão transferidas para esse novo espaço, que foi oferecido pelo Governo do Estado. O local está passando por reforma, mas deve ser entregue no domingo. E no dia seguinte, a Semcaspi vai fazer essa locomoção em parceria com a Pastoral de Rua e MP3. Estamos articulando também a parte estrutural dos abrigos”, disse Layla Paiva.

Reunião com representantes da Semcaspi

O encontro discutiu ainda a redução e a responsabilidade de coordenação dos abrigos que ficará com os educadores indicados pela Semcaspi. “Os venezuelanos que estão nos abrigos do KM7 e Poti Velho serão acomodados no CSU do Buenos Aires. Dessa forma, deixará de ser cinco abrigos e, agora, serão apenas três. Isso facilitará o fornecimento do serviço básico. Nós já temos representantes em dois abrigos, mas com a mudança, nossas equipes ficarão responsáveis por oferecer toda assistência nos três lugares”, finalizou.

Na reunião ficou definido que um seminário, com a participação de representantes da Funai de Manaus e antropólogos, deve ser oferecido nos próximos dias no intuito de trocar experiências e se trabalhar as formas de abordagem e diálogo com os venezuelanos.

AUDIÊNCIA PÚBLICA - A Câmara Municipal de Teresina aprovou requerimento do vereador Dudu (PT) para a realização de uma audiência pública a fim de discutir questões referentes à imigração de venezuelanos para Teresina. A audiência começa às 10 horas e irá contar com a participação de representantes de órgãos como a Polícia Federal (órgão que controla a imigração), Ministério Público Federal (MPF), Secretaria de Assistência Social, OAB-PI, Fundação Municipal de Saúde (FMS), imigrantes e sociedade em geral.

Para o vereador Dudu, é necessário ter um controle do número real de imigrantes para que assim sejam desenvolvidas ações com o objetivo de acolher os venezuelanos. “Teresina é uma cidade bastante acolhedora e estamos vivenciando a chegada de refugiados que estão saindo de seu pais de origem por causa de conflitos e guerras. Sabemos que no meio da triste situação os que mais padecem são as crianças e as mulheres. Nossa cidade está recebendo um grupo grande de imigrantes e é fundamental que a gente tenha um controle da quantidade de pessoas para que assim seja possível ajudá-los”, disse o vereador.

Fonte: Redação Piauí Hoje

Próxima notícia

Dê sua opinião: