TURISMO

Governo discute parceria para desenvolver o zoobotânico e o Cânion do Poti

A parceria com o Instituto Semeia irá viabilizar a manutenção dos parques e a geração de renda


Reunião com investidores

Reunião com investidores Foto: CCOM

O governador Wellington Dias se reuniu, na manhã desta terça-feira (18), em São Paulo, com o diretor executivo, Fernando Pieroni, e gerente de projetos, Victor Hugo Costa, do Instituto Semeia, além da superintendente de parcerias e concessões do Estado (Suparc), Viviane Moura, a fim de firmar uma parceria, por meio de um acordo de cooperação para modelagem de projetos para os parques estaduais. O objetivo é tornar locais como os parques Zoobotânico e o do Cânion do Rio Poti mais atrativos à população local e turistas, sem deixar de lado a preservação e os cuidados com o meio ambiente.

O Instituto Semeia é uma organização sem fins lucrativos que fomenta parcerias a fim de desenvolver os parques brasileiros. O diretor Fernando Pieroni explica que a entidade existe desde 2011 e, por sua experiência, pode contribuir com o Piauí. "Trabalhamos mais com parques naturais e parques urbanos e estamos, agora, começando a trabalhar com zoológicos e jardins botânicos. O que o Semeia oferece é essa disposição de poder sentar com as equipes dos governos, tendo uma séries de materiais e de estudos, além de poder acompanhar a execução desses projetos ao longo do tempo”, disse.

“Quanto ao projeto do Zoobotânico de Teresina, podemos colaborar com a sistematização de conhecimento, ver qual é o caminho para transferir todo o aprendizado que iremos adquirir no Zoobotânico de São Paulo. Quanto aos parques, podemos ver meios de viabilizar consultores para desenvolver uma modelagem que una turismo a sustentabilidade, da forma que o governador Wellington Dias pretende. De já, podemos compartilhar o nosso material; marcar uma conversa com a equipe do Piauí para discutir questões de regularização fundiária e planos de manejo; fazer apresentações dos projetos àa comunidades para saberem as vantagens”, disse.

A superintendente de parcerias e concessões do Estado, Viviane Moura, destacou o que fato será executado nos parques. “O Semeia é um instituto extremamente respeitado e conhecido no país, sobretudo pelo trabalho desenvolvido por eles na estruturação de PPPs e concessões para parques. O Zoobotânico é um projeto que já está com estudo concluído, mas que, na nossa avaliação, precisa ser discutido com algumas entidades e o Semeia é uma dessas entidades que a gente entende que pode colaborar para melhorar o projeto”, destacou.

Moura explicou que, a princípio, o Governo do Estado e o Semeia vão trabalhar com duas linhas de ação. "Em uma delas, eles vão mandar o material para que a gente possa utilizar e trabalhar a PPP para os parques e começar, talvez, uma avaliação do Cânion do Poti. Ficamos de encaminhar para eles o estudo estruturado do Zoobotânico para que eles façam uma avaliação preliminar e, com base nessa avaliação, possamos ir para próxima etapa de diálogo com a sociedade”, acrescentou.

O governador Wellington Dias, explica que o Semeia tem uma importante experiência prática em parcerias com o setor privados sem ônus para o setor público. "Eles trabalham essa área de dar sustentabilidade a parques no Brasil, em estados como São Paulo e Minas Gerais. Eles manifestaram um interesse de apoiar importantes duas importantes parcerias no Estado do Piauí, que é o Parque Zoobotânico e na estruturação do Parque do Cânion do Rio Poti", informou.

Segundo Dias, o Estado ainda estaria responsável pelos cuidados com o meio ambiente, as áreas verdes e animais, e ao setor privado caberia os investimentos que pudessem gerar emprego e renda por meio de atrações saudáveis para as pessoas e ao mesmo tempo segura para a fauna e flora destes parques. "Nesse momento de dificuldades do Governo em fazer novos investimentos, nós vimos aqui uma oportunidade de trazer um lazer diferenciado à população e também gerar emprego e renda. Na estruturação do Parque do Cânion do Rio Poti, temos o desafio deste projeto já nascer com esse conceito da autossustentação. Queremos que naquela região belíssima, setor público e setor privado possam trabalhar juntos para gerar condições de fomentar a gastronomia, o artesanato, quem sabe, de termos uma pousada ou hotel-fazenda, o que for adequado, nas proximidades do Cânion, para recebermos bem os visitantes do Piauí, do Brasil e do Mundo”, declarou.

Fonte: Lorenna Costa e Marília Andrade

Próxima notícia

Dê sua opinião: