ALIMENTO

Coronavírus não deve afetar a agricultura

Alimentos que irão para a mesa da população não serão atingidos pelo surto da doença


Agricultura

Agricultura Foto: Divulgação

Com a pandemia decretada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o recomendado é ficar em casa nos próximos 15 dias, pelo menos, realizando um processo de quarentena. Com isso, diversos comércios estão fechados em algumas das cidades mais afetadas, como São Paulo e Rio de Janeiro.

Alguns setores da economia, no entanto, passarão ilesos pelo surto, já que são essenciais, como a agricultura e a indústria de medicamentos. De acordo com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, o país não sofrerá com desabastecimento de alimentos no mercado, já que a agropecuária segue o plantio e cultivo dos alimentos normalmente. 

"O Brasil é um grande celeiro, produtor de alimentos, e não precisamos ter nenhuma expectativa negativa de que não teremos alimentos para nosso povo", afirmou, referindo-se às mudanças na rotina dos brasileiros impostas pela pandemia do coronavírus.

Segundo o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja), não há razão para a preocupação com o desabastecimento. Isso porque as atividades seguem normalmente. "Outros setores da economia já estão sendo afetados pela epidemia. Mas nós, no campo, não. Os brasileiros podem ficar tranquilos, pois vamos fazer a nossa parte para manter a economia aquecida", explicou ele. 

A safra de 2020-2021 deve chegar a 251,9 milhões de toneladas. Isso representa um aumento de 4,1% em relação à produção de 2019-2020.

Precauções

O setor também tem adotado medidas de prevenção do contágio. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) recomendou que reuniões presenciais internas e externas deveriam ser canceladas ou adiadas. Foi o que aconteceu com os eventos Encontro de Dirigentes Sindicais, Lideranças e Produtores Rurais e Conexão Agro Jovem, por exemplo.

Assim, desta forma, nos cargos em que há a possibilidade de trabalho remoto, os trabalhadores estão sendo liberados para tal atividade. No entanto, os cidadãos que desempenham trabalhos presenciais nas lavouras e nos campos seguem suas atividades.

A recomendação é a mesma. Lavar as mãos com água e sabão por mais de 20 segundos sempre que possível e, em caso de impossibilidade, higienizá-las com álcool em gel. Os equipamentos de trabalho como bomba d'água, irrigadores e demais materiais podem ser limpos de tempos em tempos, já que os trabalhadores utilizam luvas em muitos casos.    

Próxima notícia

Dê sua opinião: