;

Servidores municipais de Teresina devem iniciar greve por tempo indeterminado a partir desta quinta-feira (30)

Os servidores municipais já realizaram paralisações de advertência, a exemplo do dia 15 de maio, quando estiveram juntos com outras entidades em ato nacional


Servidores municipais

Servidores municipais Foto: Ascom

A categoria insatisfeita com a falta de uma contraproposta, por parte da Prefeitura Municipal de Teresina (PMT), para o reajuste salarial anual deve dar início a uma greve a partir desta quinta-feira (30). Uma Assembleia Geral do Sindicato dos(as) Servidores(as) Públicos(as) Municipais de Teresina (SINDSERM) será realizada a partir das 8h, no Teatro de Arena. O Sindicato protocolou a pauta com as reivindicações desde janeiro e somente em 26 de abril aconteceram reuniões de negociação marcadas pela PMT.

Com 132 reivindicações levantadas pela categoria e protocoladas em ofício para o Palácio da Cidade, o SINDSERM, a pedido da própria gestão municipal, elencou os pontos mais urgentes da campanha salarial de 2019 e que estão sendo exigidos: reajuste salarial anual como prevê a Constituição Federal; calendário de mudanças de nível programadas por critério de antiguidade; atualização e pagamento retroativo de mudanças de nível; criação de Comissões Internas de Prevenção de Acidentes (CIPAs); pagamento da ação dos níveis no processo que está na Contadoria Judicial para execução (nº 0014314-73.2002.18.0140); criação de equipe paritária para combate ao assédio moral nos órgãos municipais.

"Fomos recebidos somente no dia 26 de abril em reunião com o Secretário de Administração e a comissão eleita em Assembleia Geral da categoria. Lá, a administração municipal solicitou que elencássemos os pontos mais urgentes que são seis e nós também enviamos o cálculos das perdas salariais somente das gestões de Firmino Filho, um índice de 12,79%. O secretário marcou uma reunião para o dia 7 de maio e, para nossa surpresa, não compareceu. Diante da postura intransigente do prefeito, nós já realizamos a paralisação de advertência e o indicativo é de uma greve dos servidores municipais para exigir o cumprimento da Constituição com a concessão do reajuste", explica Sinésio Soares, presidente do SINDSERM.

Os servidores municipais já realizaram paralisações de advertência, a exemplo do dia 15 de maio, quando estiveram juntos com outras entidades em ato nacional pela educação pública. Também uma comissão do SINDSERM tem acompanhado diariamente os trabalhos no legislativo e até esteve reunida com o presidente da Câmara Municipal, Jeová Alencar, em busca de diálogo e para saber da tramitação de alguma proposta de reajuste que não foi enviada pela PMT.

Os servidores municipais estarão no Teatro de Arena para definir a greve e depois irão compor o ato nacional em defesa da educação e contra a Reforma da Previdência. O ato unificado acontecerá na Praça da Liberdade.

Fonte: Ascom Sindserm Teresina

Próxima notícia

Dê sua opinião: