PARQUE RODOVIÁRIO

Prefeitura vai desapropriar terreno para assentar famílias

No total, serão 55 casas beneficiadas, sendo 25 construções novas e 30 recuperadas


Equipes da prefeitura fazem a limpeza após desabamento no Parque Rodoviário

Equipes da prefeitura fazem a limpeza após desabamento no Parque Rodoviário Foto: Luiz Brandão

Mais de dois meses após a tragédia no Parque Rodoviário, zona Sul de Teresina, 15 famílias permanecem alojadas em um terreno que pertence ao Exército após perderem suas casas para a enxurrada no dia 4 de abril deste ano, que resultou ainda na morte de duas pessoas. Nessa quinta-feira (13), o prefeito Firmino Filho (PSDB) esteve visitando a área onde ocorreu a tragédia juntamente com o superintendente da SDU Sul, Paulo Lopes, para acompanhar o trabalho de reconstrução e recuperação das casas que foram atingidas. Após a tragédia, muitos moradores continuam no local, totalizando 55 residências habitadas. 

A Prefeitura de Teresina está buscando junto aos cartórios da cidade a titularidade do terreno próximo ao Clube da Telemar, na área do Parque Rodoviário, para dar início ao processo de desapropriação e assentar as famílias que estão em áreas consideradas de risco. “Vamos desapropriar a área mais alta. O espaço próximo ao Clube da Telemar e a área da galeria serão preservados. As famílias que estão na área de risco serão assentadas nesta área mais alta. Essa saída urbaniza a região e, ao mesmo tempo, dá um teto seguro para as famílias na mesma região do Parque Rodoviário”, informou o prefeito. 


Essas mesmas unidades habitacionais também servirão para assentar as 15 famílias que estão no alojamento. Atualmente, duas empresas estão trabalhando nestas casas, mas, segundo o superintendente, mais uma construtora será convocada para dar agilidade ao processo. “Esperamos que até o final do mês de julho essa etapa esteja concluída. Todas as casas afetadas de alguma forma pela água no dia da tragédia serão recuperadas. Serão, no total, 55 casas beneficiadas, sendo 25 construções novas e 30 recuperadas.”, explicou o gestor.

Paulo Lopes ressaltou ainda que nenhuma dessas 55 residências está em área considerada de risco. “As que tiverem, vão ter que sair. Essas famílias serão assentadas em terreno apropriado que a Prefeitura já está trabalhando na desapropriação”, completou.

 

Fonte: Com informações da PMT

Próxima notícia

Dê sua opinião: