Cinco mortos e dois desaparecidos em tempestade no Rio

Prefeito Marcelo Crivella disse que a situação é crítica em vários bairros


Bombeiros retiram da lama ônibus atingido na Avenida Niemeyer,

Bombeiros retiram da lama ônibus atingido na Avenida Niemeyer, Foto: Alba Valéria Mendonça/G1

Cinco pessoas morreram e duas estão desaparecidas depois da tempestade da noite da quarta-feira (6) no Grande Rio. A forte chuva acompanhada de ventania causou apagões, derrubou árvores, alagou vias e fechou a Avenida Niemeyer, onde um trecho da ciclovia desabou.

Um ônibus está soterrado na Av. Niemeyer. O motorista do ônibus conseguiu sair do veículo e teve escoriações. Ele afirmou que duas pessoas estariam no veículo, uma delas foi encontrada e morreu. A segunda é procurada. Houve quedas de barreira em vários pontos - a ciclovia caiu perto de São Conrado, e o ônibus foi atingido quase no extremo oposto.

O prefeito Marcelo Crivella confirmou que a situação mais crítica é na Niemeyer. "Vai demorar mais de um dia inteiro para normalizar", disse.

Previsão

As chances de tempestade aumentam na parte da tarde desta quinta-feira, por causa de áreas de instabilidade associadas a um sistema de baixa pressão.

Por causa do solo encharcado, as chances de novos deslizamentos aumentam na Costa Verde e na Região Metropolitana. Além disso, pode haver novos pontos de alagamento.

A temperatura máxima prevista é de 28°C na Região Metropolitana. O mar continua agitado, com ondas de pelo menos um metro.

Resumo

A tormenta começou por volta das 20h30, quando o Rio entrou em estágio de atenção;

Às 22h15, passou-se para o estágio de crise;

Cinco mortes: duas em Barra de Guaratiba, uma na Rocinha, uma no Vidigal e uma na Avenida Niemeyer;

Uma pessoa está desaparecida na Avenida Niemeyer. Ela estava em um ônibus que foi atingido. Na avenida, um novo trecho da ciclovia desabou com deslizamento de terra. A via está interditada;

Pelo menos 120 árvores caíram, segundo a Prefeitura do Rio; algumas derrubaram a fiação e causaram apagões;

Às 8h30 eram 10 pontos de alagamento nos bairros do Leblon, Barra da Tijuca, Gávea, Ipanema, Itanhangá, Botafogo e São Conrado;

Registraram-se rajadas de 110 km/h no Forte de Copacabana, o que caracteriza tempestade violenta;

Chove fraco nesta manhã, e há pontos de alagamento na Barra e na Zona Sul;

Crivella decretou luto oficial de três dias pelas mortes;

Telefones úteis: 193 (Corpo de Bombeiros), 199 (Defesa Civil, que deve ser informada sobre riscos de desabamento);

A Defesa Civil recomenda que os moradores se cadastrem no serviço gratuito de alertas via SMS. Basta enviar o CEP do imóvel para o número 40199, por mensagem de texto.

Fonte: G1

Próxima notícia

Dê sua opinião: