Política

Wellington quer vencer as eleições e aumentar a bancada

Objetivo é fazer o maior número de deputados estaduais e federais
Fonte: Paulo Pincel | Editor: Alinny Maria 26/03/2018 13:00
Wellington Dias reuniu a bancada do governo na Assembleia Legislativa Wellington Dias reuniu a bancada do governo na Assembleia LegislativaFoto: Jorge Bastos/ PK

O governador Wellington Dias vai esperar a “janela partidária” – que se fecha no dia 7 de abril - para definir a chapa proporcional com a qual pretende vencer as eleições de 7 de outubro, a quarta que disputa na carreira política – as três últimas ele venceu no primeiro turno.

“Temos que aguardar a fase das filiações partidárias que vai até o dia 7 de abril. Vamos ter que definir. Temos que esperar quem se movimenta organizando um partido, se filiando ou fortalecendo as siglas ou mesmo pessoas que não eram filiadas a nenhum partido. A partir disso, vamos saber quem são os que se colocam como pré-candidato estadual , federal, governador ou a vice”, adiantou Wellington Dias.

Segundo o governador, tanto a chapa proporcional quanto a majoritária deverão ser fortes não só para vencer as eleições, mas para aumentar as bancadas do governo no Legislativo estadual e federal.

“Tenho que organizar uma chapa para as eleições e quero fazer respeitando os líderes e dialogando com todos os partidos. O objetivo é sair da eleição crescendo no número de federais e estaduais “, avisou.

Janela

Desde o dia 8 de março até 7 de abril, todos os filiados a partidos políticos, inclusive os detentores de mandato eletivo, podem trocar de legenda sem o risco de punição, por infidelidade partidária, por exemplo. Nesse intervalo, os partidos tentam atrair o máximo de vereadores, deputados e senadores de outras siglas, uma espécie de “mercado” no Congresso Nacional, nas assembleias legislativas e nas câmaras municipais.

Na Câmara dos Deputados, quanto maior a bancada, mais recursos o partido recebe do Fundo Eleitoral. Pelas regras aprovadas em 2017, 48% do valor do fundo serão divididos proporcionalmente ao número de assentos na Câmara. O valor previsto para 2018 é de R$ 1,7 bilhão.

Comentários