Política

Wellington cobra de Temer R$ 860 milhões pela Cepisa

Reunião com Michel Temer aconteceu nesta terça-feira no Palácio do Planalto
Fonte: Assessoria | Editor: Paulo Pincel 30/10/2018 17:40
Reunião de Wellington Dias  com Michel Temer no Palácio do Planalto Reunião de Wellington Dias com Michel Temer no Palácio do PlanaltoFoto: Assessoria

Em reunião no Palácio do Planalto com o presidente Michel Temer nesta terça-feira (30), o governador do Piauí, Wellington Dias (PT) questionou o pagamento da dívida da União com a privatização da Companhia Energética do Piauí (Cepisa). De acordo com o governador, o contrato que federalizou a Cepisa previa o pagamento de um valor ao Estado do Piauí caso a mesma fosse privatizada posteriormente.

De acordo com um levantamento feito durante as negociações entre o Estado e a União, o valor que deverá ser repassado ao Piauí ultrapassa os R$ 850 milhões. O valor é resultado de dívidas que o Estado assumiu na federalização da Cepisa no final da década de 90, cerca de R$ 700 milhões, sem correção monetária e juros decorrentes dessa operação.

O acordo que garante o repasse para o Piauí foi firmado pelo BNDES, Eletrobrás, Ministério de Minas e Energia e Advocacia Geral da União. Com o indicativo de privatização da empresa, o Governo do Piauí recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF), através da ministra Rosa Weber, que abriu uma mesa de negociação junto com órgãos da União.

“Queremos atualizar em valor, na regra do contrato e da lei o que é devido ao Piauí, algo em torno de R$ 860 milhões. Queremos que a União compareça nessa conciliação e apresente sua proposta para, na forma da lei, quitar o que é devido ao Piauí”, pontuou o governador Wellington Dias.

Na audiência com Dias, o presidente Michel Temer se comprometeu em participar da mesa de negociação. Também participaram da audiência o secretário estadual de Fazenda, Rafael Fontelles e o procurador-geral do Estado Plínio Clerton.

Reunião de Wellington Dias com Michel Temer no Palácio do Planalto
Procurador-geral do Estado, Plínio Clêrton, presidente Michel Temer, governador Wellington Dias e secretário Rafael Fonteles

Comentários