Política

WDias: Lula será inocentado em instâncias superiores

Mesma certeza têm a senadora Regina Sousa e o deputado Assis Carvalho
Fonte: Redação 13/07/2017 09:00
Lula Wellington Dias e Dilma Lula Wellington Dias e DilmaFoto: Divulgação

A condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a 9 anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na ação que investigou o pagamento de propina - o apartamento triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo – pela Construtora OAS, é vista pelas principais lideranças do Partido dos Trabalhadores no Piauí como “perseguição política” com o objetivo de barra a candidatura de Lula a presidência da República em 2018.

Os líderes petistas entende que não há prova contra Lula e que a decisão visa para não permitir que Lula seja candidato na eleição de 2018. O governador Wellington Dias ressalta que a condenação, em primeira instância, caso seja

“Comprova-se que o apartamento está em nome de uma empresa, já na época estava impedida inclusive de ser repassado para outra. Fica apenas como crime, uma visita dele ao apartamento e há a prova que o imóvel está em nome da empresa, portanto é lamentável, mas já era esperada uma condenação sem provas”, lamentou o chefe do Executivo piauiense. “O próprio texto do juiz reconhece que não há essa prova, portanto, à luz da lei da constituição, ninguém pode ser condenado sem que haja a prática de um crime comprovado. Por essa razão, eu acredito que haja uma revisão em instâncias superiores”, crê.

A senadora Regina Sousa considera a decisão “política”, dos que querem frear a ascensão do Lula e condená-lo sem prova. “O Lula não tem escritura e nem chave do triplex e uma ação para torná-lo inelegível, mas Lula será inocentado", acredita a senadora. “Todos estamos indignados. Esperamos que a justiça desfaça essa injustiça, pois é um grande equívoco para o País".

Presidente do PT no Piauí, o deputado federal Assis Carvalho admitiu que essa era uma decisão já esperada, embora sem haver nenhuma prova, sem materialidade do fato. “A posição do Sérgio Moro á estava tomada e já dialogada com aqueles que têm interesse a essa perseguição política ao Lula, não há nenhuma novidade... como não há nenhuma dúvida de que essa posição equivocada do juiz Sérgio Moro será revista nas instâncias superiores, como algumas já revistas”.

Assis Carvalho ressalta que delação, por si só, não é motivo, razão para condenação. E em relação a Lula, acrescenta, não há nada mais do que delação. “Embora haja mais de 70 (testemunhas) inocentando Lula”.

Comentários