Política

Venâncio defende mais políticas públicas em defesa da mulher vítima

Vereador cobrou mais investimentos em programas destinados a atender à mulher vítima de violência
Fonte: Assessoria | Editor: Paulo Pincel 06/06/2017 16:17
Vereador Venâncio Cardoso (PP) Vereador Venâncio Cardoso (PP)Foto: Assessoria

Em discurso realizado nesta terça-feira (6), na Câmara Municipal de Teresina, o vereador Venâncio Cardoso (PP), cobrou a criação de mais políticas públicas que combatam a violência contra a mulher no Piauí. Venâncio afirmou que essa questão só se resolve mudando uma cultura por meio da educação.

O discurso do vereador foi fruto de um estudo divulgado na última segunda-feira, que mostrou que o número de feminicídios no Estado Piauí aumentou 65% nos últimos cinco anos. Além desse número preocupante, o Atlas da Violência desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) revelou que apenas entre os anos de 2014 e 2015, o Piauí mostrou um crescimento de 7,4 no número de assassinatos de mulheres, enquanto no Brasil houve queda de 5,1%.

O investimento em educação, para o vereador, seria apenas uma das forma mais concretas de vencer esses números. “A gente vê o empenho da prefeitura com boas iniciativas como o Laboratório Lei Maria da Penha e o Projeto Lei Maria da Penha em Cordel nas Escolas, assim como o governo do Estado com o aplicativo Vazow, por exemplo, que são mecanismo que vão na base, que levam informação, conhecimentos às nossas crianças e adolescentes, mas creio que precisamos investir cada vez mais na educação para que possamos mudar essa cultura de violência que vivemos”, explicou.

Venâncio pontuou que essa pesquisa mostrou uma realidade ainda mais preocupante e que deve ser melhor trabalhada pelo poder público, que é a questão da mulher negra. Em sua fala, o parlamentar municipal destacou que a situação das mulheres negras piauienses é ainda mais grave, pois elas são as principais vítimas dessa violência.

“Esse número preocupa mais ainda mais quando olhamos para a situação das mulheres negras do nosso Estado. De 2005 para 2015, houve um aumento de 2,4 assassinatos para cada 100 mil mulheres e esse número chegou a casa dos 4,4 em 2015, uma alta de 7%. É um dos maiores aumentos do Brasil. É algo alarmante e inadmissível”, destacou.

O vereador falou ainda sobre a Casa Abrigo e a patrulha Maria da Penha como uma das formas de coibir os crescentes casos de violência, mas acrescentou que são programas que devem receber melhor investimento. “Quero convocar essa Câmara para que nós possamos estar viabilizando, pensando em alternativas. Por exemplo a Casa Abrigo que funciona em Teresina, é uma ótima política pública, porém a casa só abriga 15 pessoas entre mulheres e crianças, ou seja, isso deve ser melhorado para atender a realidade do nosso Estado. Acredito que com políticas públicas adequadas, com educação e com a consolidação, por exemplo, da patrulha Maria da Penha, nós possamos mudar de vez essa realidade”, finalizou.

Comentários