Saúde

SUS disponibiliza métodos contraceptivos em Teresina

Somente em 2018, a FMS distribuiu mais de 3 milhões de contraceptivos em Teresina
Fonte: PMT | Editor: Redação 06/02/2019 13:07
Camisinhas CamisinhasFoto: Asscom/Sesa

No exercício do direito reprodutivo, é imprescindível a disponibilização para mulheres e homens de métodos contraceptivos eficazes. Para garantir este direito, o Sistema Único de Saúde (SUS) mantém a oferta de métodos anticoncepcionais na rede pública de saúde e conta com profissionais capacitados para auxiliar a família a escolher qual a melhor opção contraceptiva em cada momento da vida.

Na decisão sobre o método anticoncepcional a ser usado devem ser levados em consideração os seguintes aspectos: A escolha da mulher, do homem ou do casal; características dos métodos; fatores individuais e situacionais relacionados aos usuários do método. Existem diversos métodos contraceptivos: os de barreiras, como preservativos masculinos e femininos, diafragma, espermicidas e o dispositivo intrauterino (DIU); os métodos hormonais, que são as pílulas combinadas e injetáveis. A ligadura tubária e a vasectomia são os métodos contraceptivos definitivos. Todos os métodos citados são disponibilizados pelo SUS.

Somente em 2018, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) dispensou mais de 3 milhões de contraceptivos do tipo de barreira, dos quais 3.256.437 foram preservativos masculinos e 32.375 unidades de preservativo feminino. Entre os métodos orais, foram 73.736 cartelas de anticoncepcionais orais e 18.977 do tipo injetável.

Foram feitas ainda 223 aplicações de DIU, que estão disponíveis em duas unidades de saúde da capital: o Centro Integrado de Saúde Lineu Araújo, que implanta o contraceptivo de forma planejada, e a Maternidade do Buenos Aires, que é ofertado para as mulheres de pós-parto imediato (cesárea ou normal) e de pós-aborto. Trata-se de um método eficaz, sem hormônios, que satisfaz as necessidades contraceptivas da maioria das mulheres. Entre as vantagens do uso do DIU de cobre estão o longo tempo de ação (10 anos), baixo índice de gravidez, intervenção única para seu uso e poucos efeitos indesejados.

Ainda no ano de 2018, foram feitos 293 laqueaduras e 49 vasectomias. Estes procedimentos são feitos por encaminhamento do SUS mediante Termo de Consentimento, que deverá apenas ser preenchido na consulta na Unidade Básica de Saúde, após aconselhamento. A partir desta data será iniciada a contagem de 60 dias, tempo recomendado entre manifestação da vontade e o ato cirúrgico. “Para a laqueadura e a vasectomia existe uma lei que determina que tipos de pessoas podem realizar o procedimento. Determinando a idade, a quantidade de filhos. As famílias podem conversar com as equipes de saúde para saberem se estão dentro do perfil e optarem pela vasectomia ou pela laqueadura”, informa Francisco Pádua, diretor de Atenção Básica da FMS.

Além dos métodos anticoncepcionais, a FMS mantém nas Unidades Básicas de Saúde um programa de planejamento familiar, que dá informações para as famílias escolherem qual o método anticoncepcional que eles querem fazer. “A assistência em anticoncepção pressupõe a oferta de todas as alternativas de métodos anticoncepcionais aprovadas pelo Ministério da Saúde, bem como o conhecimento de suas indicações, contraindicações e implicações de uso, garantindo à mulher, ao homem ou ao casal os elementos necessários para a opção livre e consciente do método que a eles melhor se adapte”, informa Francisco Pádua. Pressupõe, ainda, o devido acompanhamento clínico-ginecológico à usuária, independentemente do método escolhido.

Comentários

Matérias Relacionadas