Polícia

Sob forte comoção, meninos são enterrados em Goiânia

João Pedro e João Vitor foram mortos a tiros por um colega de turma
Fonte: G1 | Editor: Paulo Pincel 21/10/2017 13:15
Enterro de um dos meninos mortos por atirador de 14 anos Enterro de um dos meninos mortos por atirador de 14 anosFoto: Uol Notícias

Sob forte comoção e com a presença de centenas de amigos e familiares, os corpos dos estudantes João Pedro Calembo e João Vitor Gomes, mortos por um colega na escola, foram enterrados neste sábado (21) em cemitérios de Goiânia. Ambos tinham 13 anos. Além deles, quatro colegas ficaram feridos no Colégio Goyases.

O primeiro a ser enterrado foi João Pedro. O sepultamento ocorreu às 10h45 no cemitério Parque Memorial. Durante a cerimônia, a família fez orações e, por volta 9h, celebrou um culto em homenagem ao adolescente.

Durante o velório de João Pedro, o pai dele, o publicitário Luciano Marcatti Calembo disse que perdoa, e espera que a sociedade também perdoe o adolescente que tirou a vida do filho dele e do colega de sala, João Vitor. O publicitário Luciano Marcatti Calembo pediu que todos os pais "cuidem de seus filhos".

"Meu filho era uma criança muito doce, muito especial. Nossa família é cristã e ele sempre foi educado e pautado no respeito ao próximo. Os preceitos familiares estão perdidos na nossa sociedade, a gente tem que reforçar esses valores, e meu filho tinha tudo muito claro. Tudo isso poderia ser evitado".

"Falo como pai do João Pedro, de uma criança que perdeu a vida. Eu espero que toda a sociedade e os pais dele e os outros pais o perdoem. Temos que perdoá-lo", disse, emocionado.

Já o corpo de João Vitor foi enterrado no Cemitério Jardim das Palmeiras, por volta das 11h20. Segundo colegas da vítima, ele e o atirador eram amigos e andavam juntos com frequência.

Mãe e pai (à direita) de João Vitor choram ao enterrar o corpo do filho
Mãe e pai (à direita) de João Vitor choram ao enterrar o corpo do filho

Uma das colegas que compareceu aos velórios é Alana Santos, de 13 anos. Ela estava na sala no momento em que o colega de 14 anos atirou. Para a adolescente, será difícil voltar à rotina.

“Ele zuava com todo mundo. A fama dele era de zueiro. E querido também. Isso aconteceu por falta de união. Nossa turma nunca foi unida, é isso serve de lição. Vai ser muito dolorido voltar pra aula”, disse a adolescente durante o velório de um dos colegas.

O pai de Alana, o bancário Arnaldo Júnior, afirma que a situação é “assustadora”. “Não sei até que ponto o colégio conseguiria identificar, não tem culpado, não dá pra saber o que passou na cabeça do menino, até porque atingiu um que ele gostava, não dá pra entender a dor dele. Talvez a gente precise observar os nossos filhos, acompanhar mais”, opina.

Estudantes do Colégio Goyases se abraçam durante velório de colega em Goiânia (Foto: Murillo Velasco/ G1)

Corpo de João Pedro é enterrado em Goiânia, Goiás (Foto: Murillo Velasco/ G1)

Vigília

No início da noite de sexta-feira (20), pais, alunos, funcionários e professores da escola começaram uma vigília na porta da instituição onde o atentado aconteceu. Várias pessoas se mobilizaram no local acendendo velas e fazendo orações.

A professora Sandra Oliveira Santos esteve no local para participar das homenagens e contou que todos ainda estão muito abalados com o ocorrido. "A gente ainda está meio assustado. Você não sabe se fica com mais piedade daquele que realmente cometeu o ato ou daqueles que foram vítimas", disse.

Vigília é realizada na porta do Colégio Goyases, escola particular em que a tragédia aconteceu (Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo)

Tiros

Conforme a Polícia Civil, o adolescente de 14 anos atirou contra os colegas no fim da manhã de sexta-feira dentro da sala do 8º ano do Colégio Goyases, no Conjunto Riviera. Os disparos aconteceram no disparo entre duas aulas.

Segundo o delegado Luiz Gonzaga Júnior, responsável pelo caso, o autor dos disparos disse que sofria bullying de um colega e, inspirado em massacres como o de Columbine, nos Estados Unidos, e de Realengo, no Rio de Janeiro, decidiu cometer o crime. Filho de policiais militares, ele pegou a pistola .40 da mãe e levou para a unidade educacional.

“Ele ia matar todo mundo. Levou dois carregadores para a escola. Descarregou o primeiro, carregou o segundo, deu um tiro, mas foi abordado pela coordenadora. Ela oconvenceu a travar a arma”, disse ao G1.

Funcionários da escola levaram o autor dos disparos para a biblioteca para aguardar a chegada dos policiais. Ele foi apreendido e levado para a Depai, onde contou que atirou primeiro contra João Pedro porque ele fazia bullying com o suspeito.

Colégio Goyases está em luto (Foto: Sílvio Túlio/ G1)

Escola

O Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino (Sepe) de Goiânia junto ao Conselho Estadual informou à TV Anhanguera, por meio de nota, nesta sexta-feira, que estão dando todo apoio à escola e aos parentes dos alunos da instituição.

Ainda conforme os órgãos, representantes foram até o colégio, conversaram com professores e direção e apuraram que o estudante autor dos disparos não apresentava comportamento suspeito. O texto destaca que as aulas no Colégio Goyases estão suspensas sem previsão de retorno.

Adolescente suspeito de efetuar disparos está apreendido (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)

Baleados

Os quatro adolescentes que ficaram feridos seguem internados. O pai da estudante Marcela Rocha Macedo, de 13 anos, trabalha na escola e viu a filha baleada. Ele conta que chegou a temer pela própria vida. "Ele [adolescente] apontou a arma para mim. Achei que ia morrer", disse o auxiliar administrativo Mauri Aragão.

O estudante Yago Marques, de 13 anos, também ficou ferido. Apesar de estar baleado, o garoto gravou um vídeo dizendo que se recupera do "susto". O pai dele, Tiago Barbosa Gomes, contou que levou o filho e outra estudante no próprio carro até o hospital. A mãe de Yago, Andréa Marques, conta que, segundo seu filho, não houve qualquer briga que motivasse os tiros.

Dos quatro feridos, três foram levados para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) e um foi encaminhado para o Hospital dos Acidentados, ambos na capital.

Comentários