Municípios

Sindserm de Picos decide aderir à greve nacional

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Picos (Sindserm) reuniu em assembleia um número inexpressivo de filiados e, em nome de toda categoria
Fonte: Cidades na Net | Editor: Redação 17/02/2018 10:15
Sindserm de Picos Sindserm de PicosFoto: Reprodução

Em uma prática que vem se tornando rotineira, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Picos (Sindserm) reuniu em assembleia um número inexpressivo de filiados e, em nome de toda categoria, decidiu aderir à paralisação nacional da próxima segunda-feira, 19 de fevereiro.

A assembleia foi realizada na manhã do último dia 7 de fevereiro no plenário da Câmara Municipal de Picos e reuniu cerca de 50 servidores, incluindo os diretores do Sindserm. Na oportunidade, foi aprovada a adesão à paralisação nacional da próximo segunda-feira, 19, contra a Reforma da Previdência, cujo projeto está em tramitação na Câmara dos Deputados.

Para o Procurador Geral do Município, advogado Maycon Luz, o percentual de servidores presentes à assembleia que aprovou a paralisação é inexpressivo e, não representa a vontade da maioria dos trabalhadores, uma vez que o município de Picos conta em seus quadros com mais de dois mil servidores efetivos.

“Esse é um dos pontos discutido e analisado por nós, tendo em vista que a Prefeitura Municipal de Picos possui mais de dois mil servidores efetivos e filiados ao sindicato são mais de 800. E, geralmente nas assembleias que eles realizam a porcentagem de servidores que marcam presença é mínima. Temos informações da presença de 30 ou 40 servidores que às vezes tomam decisões que afetam toda uma categoria como, por exemplo, a deflagração de uma greve ou uma paralisação” – questiona Maycon Luz.

O Procurador Geral do Município afirma que a administração do prefeito Padre José Walmir de Lima (PT) discorda dessa postura do sindicato, por entender que essas decisões tomadas por um número inexpressivo de servidores não representa a vontade da maioria, que deveria ser ouvida. Porém, Maycon Luz ressalta que respeita e, na medida do possível mantém o diálogo com o Sindserm.

Para o Procurador Maycon Luz, como as decisões do sindicato são tomadas com a participação inexpressiva de filiados, quando existe paralisação ou mesmo greve a maioria dos servidores continua trabalhando sem qualquer pressão da Prefeitura. Segundo ele, os que geralmente param são pessoas ligadas a diretoria [Do sindicato],mas são poucos, a adesão é baixa.

Notificação

A administração do Padre Walmir já foi notificada pelo Sindserm sobre a paralisação da próxima segunda-feira, 19, e segundo o Procurador Maycon Luz, a gestão está analisando se alguma medida administrativa será tomada.

Ele garantiu, no entanto, que o início do ano letivo previsto para a próxima segunda-feira, 19, está mantido. Ele diz que está em contato com a Secretaria Municipal de Educação e juntamente com sua equipe providenciando algumas medidas, pois, os alunos não podem ser prejudicados.

Comentários

Matérias Relacionadas