Saúde

Atendimento pelo Plamta e Iaspi só está garantindo até sexta-feira

Sindicato espera o pagamento das faturas de julho dos prestadores até o dia 10, e caso não seja efetivado os hospitais irão paralisar
Fonte: Icone Comunicação | Editor: Luiz Brandão 04/10/2017 19:18
Reunião com entidades de saúde Reunião com entidades de saúdeFoto: Ícone Comunicação

O Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas do Estado do Piauí (Sindhospi), representantes do Instituto da Assistência à Saúde dos Servidores Públicos (IASPI), representantes de hospitais particulares de Teresina e técnicos da Secretaria de Fazenda do Piauí estiveram reunidos na manhã desta quarta-feira (04) em uma audiência pública no Ministério Público Estadual, mediada pelo Promotor de Justiça, Fernando Santos, que tratou sobre o atraso no pagamento por parte do IASPI à rede credenciada de prestadores.

Na audiência, a diretora do IASPI, Daniela Aita, comunicou que nas próximas horas o pagamento referente ao mês de junho vai estar na conta dos prestadores e que na sexta-feira (06) será aberto o sistema para a emissão de notas referentes ao mês de julho. Já os técnicos da Secretaria de Fazenda alegaram que a crise financeira vem sendo um dos maiores motivos para o repasse de recursos na área da saúde e sugeriram uma reunião com o Secretário de Fazenda, Rafael Fonteles no dia 13 de outubro, para discutir sobre o pagamento de julho e demais faturas.

O Sindhospi não acatou a proposta e estabeleceu que a categoria irá esperar até o dia 10 para receber o repasse do mês de julho, e caso não seja efetivado, no dia 11 de outubro os hospitais irão paralisar suas atividades. Além disso, se a situação não for resolvida, o promotor Fernando Santos ingressará com uma ação civil pública para que os recursos do Plamta sejam administrados pelo IASPI e não mais pela Secretaria de Fazenda.

“O Estado sugeriu que fosse feita uma reunião para tratar do cronograma de pagamento de julho, no dia 13, mas não foi acatado pelos hospitais, pois o prazo final para pagamento da rede se encerra no dia 10, ficando estabelecido, portanto, que até o dia 10 iremos aguardar o pagamento normal da rede, como já previsto no contrato e acordo anteriormente firmado. Se por ventura não for cumprido, no dia 11, às 00h, todos os prestadores irão paralisar o atendimento ao Plamta”, explicou o Presidente do Sindhospi, Dr. Jefferson Campelo.

O advogado do Sindhospi, Dr. Thiago Brandim, esclareceu na oportunidade, sobre a ação civil pública que poderá ser intentada pelo Ministério Público, caso o pagamento não seja efetivado até a data estabelecida.

“Após esse prazo dado ao IASPI, iremos comunicar ao Ministério Público sobre o pagamento ou não da rede, bem como se ocorreu algum acordo com o Secretário de Fazenda neste sentido, sendo que em caso negativo, o Ministério Público já garantiu que ingressará com uma ação civil pública em relação ao Plamta, a fim de que a dotação orçamentária do órgão fique no próprio órgão e não administrado pelo Estado em conta única como é hoje”, finalizou.

Comentários