Política

Setut e Strans vão explicar o "caos" no transporte coletivo

A audiência com esses órgãos na CMT vai acontecer já na próxima semana
Fonte: Assessoria parlamentar | Editor: Paulo Pincel 17/04/2018 15:46
Vereador Edilberto Borges, o Dudu (PT) Vereador Edilberto Borges, o Dudu (PT)Foto: Assessoria parlamentar

Durante a sessão desta terça-feira, 17, foi aprovado o requerimento do vereador Dudu (PT) convocando o superintendente da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans), Carlos Augusto Daniel, e representantes do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) para comparecerem à Câmara Municipal de Teresina (CMT) para esclarecer os problemas ocasionados pelos consórcios que atuam no sistema de integração.

Na última sexta-feira, 13, foram retirados de circulação 15 ônibus climatizados que serviam a população da zona norte da capital, acarretando em problemas e reclamações por parte dos moradores daquela zona.

“Uma coisa muito grave está acontecendo no transporte público de Teresina. Há muito tempo eu venho pedindo uma CPI, para que a gente possa através dela fazer uma varredura em tudo que existem em relação ao transporte público. E agora a integração que está desintegrando o sistema como um todo, deixando a população revoltada, sem entender e sendo maltratada ou pela Prefeitura ou pelo Setut. Tem o ditado que diz que nada que esteja ruim não possa piorar, é o que está acontecendo com o transporte público de Teresina", lamentou o vereador.

Dudu citou o exemplo da zona Norte da capital. "Os empresários do consórcio da zona Norte, que tem 90 ônibus, foram notificados que precisam melhorar a qualidade e o quantitativo dos ônibus. Eles disseram que não tiveram créditos nos bancos, que estão quebrados, que a Prefeitura deve R$ 30 milhões e que não tinham como comprar os ônibus, chamaram um empresário de São Luís, esse empresário trouxe 15 ônibus, pagou 5 ônibus de ágil para a aquele consórcio da zona norte e pasmem, com autorização da Prefeitura esse empresário começou a colocar esses ônibus para rodar desde o dia 10 de fevereiro, os 15 ônibus com ar, os únicos da zona norte. Os empresários deram calote uns nos outros, nesse empresário de São Luís e ele retirou os ônibus na sexta-feira, dia 13 de abril, a noite. E hoje eu estou falando desse problema que é grave, gravíssimo. Nós estamos falando do transporte público de massa, que além de caro também oferece um péssimo serviço à população”, reclamou.

Dudu também questiona o sistema e a forma como a Prefeitura permitiu a atuação de terceiros em um sistema já licitado. “Eu vejo pelo menos uma relação suspeita entre a Prefeitura e Setut. Como a Prefeitura autoriza um empresário de fora colocar 15 ônibus no sistema em uma licitação que está em curso? Uma licitação que foi feita e vencida pelos empresários, os mesmos que alegam que a Prefeitura deve subsídio de passagem, mais de R$ 30 milhões e pasmem, no ano de 2016 a prefeitura pagou para o Setut R$ 16 milhões de subsídio. Como esse negócio não dá dinheiro e os empresários continuam lá? Se não presta, por que eles não abrem mão? Por que a Prefeitura não faz outra licitação?” indagou o vereador.

A convocação e comparecimento dos gestores a CMT deve acontecer já na próxima semana. Além da Strans e do Setut, Dudu também solicitou a participação dos Ministério Público do Piauí (MP-PI) e do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Comentários