Educação

Setembro Amarelo: Projeto ajuda jovens estudantes a lidar com dores e emoções

Por meio de uma escuta ativa dos jovens, muitos que chegam para conversar com um tom abatido saem mais leves e agradecidos.
Fonte: MEC | Editor: Redação 21/09/2018 14:17
Alunos AlunosFoto: www.emanuellagalvao.com.br

Um projeto do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UnB) está levando a duas escolas públicas de Samambaia, no Distrito Federal, um grupo de estudantes para ajudar professores e alunos a lidar com emoções que muitas vezes se tornam um tormento para quem as vive. Por meio de uma escuta ativa dos jovens, muitos que chegam para conversar com um tom abatido saem mais leves e agradecidos.

O psicólogo Marcelo Tavares, professor do Instituto de Psicologia da UnB e coordenador do projeto, tem ido com alguns alunos até as escolas com a finalidade principal de escutar os estudantes que passam por dificuldades sentimentais e ajudar a fortalecê-los, combatendo os sintomas que, eventualmente, podem levar as pessoas deprimidas a desistirem da vida. “A gente vai para a escola e simplesmente diz: ‘nós estamos aqui para conversar’”, explica. “Podemos falar de qualquer coisa. O foco da nossa escuta não é como arrumar a vida da pessoa. É para compreender a experiência interna na vida dela.”

Muitas crianças e adolescentes, apura Tavares, sofrem abusos em casa, presenciam casos de violência doméstica e convivem com pais ausentes ou agressivos, o que torna o cotidiano muito difícil. “A ideia do projeto é fazer com que os docentes e estudantes desenvolvam competências para ajudar quem está passando por conflitos emocionais”, resume.

Apoio – A equipe passou por outras instituições antes de entrar efetivamente nas duas escolas de Samambaia. A partir de uma análise do comportamento de adolescentes, desde o início do ano, o professor e seus alunos começaram a interagir com os gestores da escola para explicar o modelo que seria implementado. “Esse foi um passo importante para adquirimos o apoio da escola, direção, supervisão e coordenadores”, comenta Marcelo.

Também são realizadas reuniões com professores para sensibilizá-los sobre a questão emocional dos alunos. “Nossa cultura tem uma dificuldade muito grande para lidar com emoções”, avalia. “A reunião tem o objetivo de fazer com que se entenda que emoção está fora do nosso controle cognitivo. A ideia da conversa com os professores é que eles entendam o processo de como as nossas emoções funcionam. ”

O trabalho começa após as reuniões com o corpo docente da escola. Os alunos de uma turma indicada pela instituição assistem a uma animação e depois participam de uma roda de conversas na qual todos podem falar sobre emoções, experiências internas e sentimentos. “A ideia do projeto é fazer uma vacina, preparar as pessoas para darem atenção a própria vida emocional e dos companheiros e colegas”, resume o professor.

Setembro Amarelo – Setembro é o mês mundial de prevenção do suicídio. No Brasil, desde 2015, foi criada a campanha Setembro Amarelo, uma inciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). A ideia é promover eventos que abram espaço para debates sobre suicídio e divulgar o tema alertando a população sobre a importância de sua discussão.

Comentários