Política

Servidores e estudantes protestam contra PEC 241 e por mais recursos para Uespi

Foi durante a audiência pública nesta terça-feira (8), na Assembleia Legislativa, que debateu a proposta orçamentária para 2017
Fonte: Redação | Editor: Paulo Pincel 08/11/2016 15:02 - Atualizado em 19/11/2016 06:14
Protestos durante a audi~encia pública na Assembleia Legislativa Protestos durante a audi~encia pública na Assembleia LegislativaFoto: Reprodução/Alepi

Houve manifestação de servidores estaduais e estudantes universitários na sala da Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa, durante a audiência pública nesta terça-feira (8), para debater a proposta orçamentária para 2017. A manifestação pacifica foi contra a PEC 241 [PEC 55 no Senado] que congela por 20 anos os investimentos federais em áreas como a saúde e a educação.

Estudantes da Universidade Estadual do Piauí também protestaram por mais recursos para a instituição. Atendendo à reclamação dos universitários, o deputado Robert Rio (PDT) sugeriu a realização de uma audiência pública para discutir especificamente a situação da Uespi.

Além dos estudantes, estiveram presentes à audiência representantes dos servidores da Uespi, policiais civis, Saúde e do Judiciário, que tiveram direito a se manifestar.

O professor Paulo Henrique falou em nome dos servidores da UESPI, advertindo que corte de R$ 6 milhões no Orçamento, como proposto pelo Executivo, pode inviabilizar várias ações na instituição, que conta com 23 mil alunos, dos quais apenas 800 têm bolsas de estudo.

Constantino Júnior, do Sindicato dos Policiais Civis, cobrou uma discussão mais aprofundada do Orçamento. “Precisamos discutir com mais transparência, precisamos saber quanto se gasta com terceirizado, quantos são os cargos comissionados, quanto se paga em condições especial de trabalho”, defendeu o sindicalista, lembrando que os servidores estão há quase 4 anos sem reajuste salarial.

Francilene Mesquita, da Sesapi, cobrou a fiscalização da liberação e da destinação dos recursos das emendas impositivas da saúde.

Comentários