Saúde

Saiba como aderir ao programa de Parto Humanizado

A preparação para o parto humanizado começa já na escolha do obstetra que irá assistir a grávida durante os nove meses de gestação
Fonte: Noticias ao Minuto | Editor: Redação 10/07/2017 11:31
Grávida GrávidaFoto: Capesesp

O parto humanizado ou humanização do parto trata-se de um direito garantido por lei e é considerado um processo no qual todas as atenções são voltadas às necessidades da gestante. Segundo o ginecologista e obstetra, Alberto Guimarães, defensor do parto humanizado, é a mulher quem tem o controle da situação e as suas decisões devem ser respeitadas e levadas em consideração para tornar o momento do parto em uma experiência única, saudável, instintiva, entendendo esta ação como um ato fisiológico e natural do ser humano.

“A preparação para o parto humanizado começa já na escolha do obstetra que irá assistir a grávida durante os nove meses de gestação. Este profissional fará o acompanhamento do pré-natal para garantir que a mãe e o bebê estejam com a saúde perfeita para a realização de um parto com o mínimo de intervenções”, reforça o obstetra.

Neste processo, a mulher participa, de forma ativa, de todo o movimento fisiológico do nascimento, desde a definição da acompanhante até a liberdade para caminhar, movimentar e sentar, além da escolha sobre a melhor posição e o local onde deseja ter seu bebê. O médico apenas observa e interfere tecnicamente, se necessário.

O parto humanizado oferece inúmeros benefícios como: apoio emocional, maior percepção do momento do parto, recuperação mais rápida, uma vez que não é necessário realizar cortes e nem aplicar anestesia. Além disso, a interação entre mãe e filho é imediata, haja vista que a amamentação ocorre no local onde o nascimento aconteceu.

As mulheres que querem optar por este tipo de parto, devem buscar orientações, conversar com quem já passou por este processo e saber se é realmente isso que ela deseja, afinal, como todo nascimento, também há desconfortos naturais do processo como dores, incômodos e medo.

Comentários