Polícia

Presa quadrilha que roubou R$ 18 mil de empresário em José de Freitas

Os suspeitos foram presos em Teresina
Fonte: Com informações de Realidade em Foco | Editor: Alinny Maria 27/09/2017 11:31
Trio suspeito de invadir casa de empresário Trio suspeito de invadir casa de empresárioFoto: Realidade em Foco

Três suspeitos de participação no assalto e agressão contra o empresário Juracy Barbosa dos Santos, na noite do sábado (23) no centro de José de Freitas, foram presos nessa terça-feira (26) durante uma operação conjunta entre as polícias Civil e Militar.

Pelo menos cinco homens armados com revolveres e pistolas invadiram a casa do empresário e levaram o cofre com R$ 18 mil. Após o crime, os criminosos fugiram em uma caminhonete modelo Frontier.

A polícia conseguiu localizar parte do bando em Teresina. Os presos foram identificados como Francisco de Jesus da Silva, 19 anos, residente de José de Freitas; Ronyelson Rodrigues dos Santos, vulgo “Negão” residente no Bairro Renascença 2, com várias passagens pela polícia e Paulo dos Santos Nascimento, 23 anos, vulgo “Juninho”, morador da Vila Samaritana, zona Leste de Teresina.

Assalto em José de Freitas

Segundo o subtenente Francisco Borges, Secretário Municipal de Segurança de José de Freitas, um sobrinho do empresário identificado como Everton Barbosa, foi apontado pelos os comparsas como informante da quadrilha.

Conforme as investigações, após o assalto em José de Freitas, os suspeitos foram para um local desconhecido e fizeram a divisão de valores entre eles, por esse motivo, a polícia ficou impossibilitada de recuperar o dinheiro, que já foi gasto pela quadrilha. Os levantamentos foram feitos pelo serviço de inteligência e reservados da Polícia Militar, e pelo secretário municipal de segurança de José de Freitas, com o apoio da Polícia Civil.

Equipes da polícia seguem em diligências para localizar e prender o restante dos integrantes do grupo. Após as prisões em Teresina, os três suspeitos foram recambiados para a Delegacia de José de Freitas, onde foram ouvidos e recolhidos a uma das celas do distrito e aguardam uma decisão judicial

Comentários