Polícia

Prefeito e vereadores são alvos de operação da Polícia Civil

A ‘Operação Bons Princípios’ tem por objetivo desarticular grupo criminoso que fraudou o concurso público em Bom Principio do Piauí
Fonte: Polícia Civil | Editor: Alinny Maria 14/12/2017 09:21
Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO) Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO)Foto: Reprodução

A Secretaria de Segurança Pública do Estado do Piauí e a Delegacia Geral da Polícia Civil, por meio do Grupo de Repressão ao Crime Organizado – GRECO, deflagrou nesta quinta-feira (14) a ‘Operação Bons Princípios’ que tem por objetivo desarticular grupo criminoso cuja atuação culminou em fraude ao concurso público ocorrido em 22 de janeiro de 2017, da prefeitura de Bom Princípio do Piauí, a 288 km de Teresina. Entre os suspeitos está o prefeito, vereadores, empresários e um capitão da Polícia Militar.

Estão sendo cumpridos 13 mandados de buscas e apreensões nas cidades de Teresina, Bom Princípio, Parnaíba e Luís Correia. Dentre os alvos das buscas estão as residências do Prefeito e cinco vereadores do município de Bom Princípio do Piauí, um oficial da Polícia Militar, além dos proprietários da empresa Água Marinha Consultoria e Projetos LTDA ME. As investigações apontaram que alguns candidatos aprovados e nomeados tinham ligação com o prefeito e vereadores da cidade e teriam sido favorecidos.

A Operação contou com apoio de 60 policiais civis do GRECO, POLINTER, DECCOTERC, DRCI, HOMICÍDIOS, DELEGACIA REGIONAL DE PIRIPIRI e DIRETORIA DE INTELIGÊNCIA, além de contar com a participação de membros do TCE, CGU e Ministério Público Estadual por meio do GAECO, estes, integrantes da Rede de Controle do Piauí.

A operação conta com a atuação do Desembargador do Tribunal de Justiça Sebastião Ribeiro Martins e a Juíza Anna Victória Muylaert Saraiva Cavalcanti Dias, responsáveis pelas concessões das ordens, além da atuação do Ministério Público Estadual através da Promotora de Justiça Francineide de Sousa Silva da comarca de Buriti dos Lopes e dos Promotores de Justiça do GAECO.

Comentários