Municípios

População de Corrente paga gás mais caro do nordeste

Na prática a diminuição do preço ainda não chegou no bolso do consumidor de Corrente e municípios da região Extremo-Sul do estado do Piauí
Fonte: Cidades na Net | Editor: Redação 20/01/2018 10:02
Gás de Cozinha Gás de CozinhaFoto: Dicas Online

A Petrobrás anunciou na quinta-feira (18) a diminuição de 5% no preço do botijão de gás de cozinha. A empresa também anunciou sua nova política de preços para o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), o gás de cozinha vendido em botijões de 13 quilos – a política anterior, que previa revisões de preços para cima ou para baixo todo dia 5 de cada mês, foi suspensa no início de dezembro devido ao forte impacto que vinha causando no preço final para os consumidores.

Na prática a diminuição do preço ainda não chegou no bolso do consumidor de Corrente e municípios da região Extremo-Sul do estado do Piauí. De acordo com o empresário Benivaldo Souza do Nascimento, proprietário de uma revenda no município de Corrente, as distribuidoras ainda não comunicaram a diminuição do preço aos revendedores.

“Eu soube dessa redução do preço pela imprensa, não fomos comunicados formalmente. Mas saberemos assim que fizermos a próxima compra, no meu caso na próxima segunda-feira. Particularmente eu gostaria que o preço tivesse diminuído e com certeza farei o repasse do desconto para o consumidor, se houver”, informa. Outro revendedor consultado achou a pergunta engraçada e afirmou que espera por aumento, não queda de preço.

O preço do botijão de gás de cozinha em Corrente, Curimatá, São Gonçalo do Gurgueia e Gilbués é de R$ 95 reais para entrega e, em algumas revendas, R$ 90 reais para o consumidor que for buscar o botijão, resultando em uma média de R$ 92,50 por unidade. Em Corrente, foi encontrado o mesmo preço, R$ 95 reais, em todas as revendas.

O preço que a Petrobras pratica ao comercializar o GLP para as distribuidoras pode ser representado pela soma de duas parcelas: a parcela valor do produto Petrobras e a parcela tributos, que são cobrados pelos estados (ICMS1) e pela União (CIDE2, PIS/PASEP3 e Cofins4). No preço do botijão pago pelos consumidores nos pontos de revenda também estão incluídos os custos e as margens de comercialização das distribuidoras e dos pontos de revenda.

Os preços nos postos de revenda de todo o país são monitorados pela ANP por intermédio de pesquisas semanais, cujos resultados podem ser consultados diretamente no site da agência (www.anp.gov.br).

Comentários

Matérias Relacionadas