Política

Piauí gastou R$ 1,6 bilhão com vítimas de acidentes em 2016

Em 2016 morreram 150 pessoas, seis a menos que em oito meses neste ano
Fonte: Paulo Pincel 14/09/2017 15:42
Dr. Benjamin Pessoa do Vale Dr. Benjamin Pessoa do ValeFoto: Caio Bruno/Alepi

O governo do Piauí gastou R$ 1,6 bilhão – ou 4,26% do Produto Interno Bruto -com atendimento a pessoas vítimas de acidentes de trânsito no ano passado. Em 2016, morreram 150 pessoas no trânsito. Esse número já foi superado em menos de oito meses. Entre janeiro e agossto deste ano, já haviam sido registrados 156 mortes nas ruas, avenidas, estradas e rodovias estaduais e federais no Piauí.

Os dados estarrecedores sobre milhares de os mortos e sequelados por causa de acidentes automobilísticos foram mostrados pelo diretor da Associação Reabilitar,neurocirurgião Benjamim Pessoa Vale, durante sessão solene realizada na manhão desta quinta-feira (14), no Plenário da Assembleia Legisltiva, como parte da Semana “Neuro Em Ação”, uma iniciativa da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.

Benjamim Vale considera a educação é a premissa principal e vetor de transformação de qualquer sociedade. Ele diz que o Piauí está diante de um problema complexo. "Todos os dias, observamos inúmeros sequelados adentrarem a porta do CEIR, em sua grande maioria jovens. Mas o dado mais estarrecedor é a quantidade de jovens que hoje, viraram cruzes de madeira na beira das estradas”, lamentou o médico.

Drs. Benjamim Vale e Itamar Costa com a deputada Juliana Moraes Souza
Médicos Benjamim Pessoa do Vale e Itamar Abreu Costa com a deputada Juliana Moraes Souza

A campanha

No Piauí, a Semana Neuro em Ação é coordenada no Piauí pela Associação Reabilitar, que atua com o Projeto Pense Bem Trauma, e pela Sociedade Piauiense de Neurocirurgia, contando com a participação de ligas acadêmicas de medicina, neurologia e neurocirurgia das universidades Federal e Estadual do Piauí e de faculdades particulares. A programação conta com palestras em escolas e faculdades da capital, além da distribuição de folders e stands em locais públicos.

Comentários