Política

Piauí é primeiro do Nordeste e quinto do Brasil em emprego

“Isso mostra que é possível fazer um Piauí diferente, mas não com discurso”
Fonte: Paulo Pincel | Editor: Alinny Maria 22/02/2018 14:01
Líder do Governo, deputado João de Deus (PT) Líder do Governo, deputado João de Deus (PT)Foto: Paulo Pincel

O líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado João de Deus (PT), fez um longo pronunciamento durante a sessão desta quinta-feira (22), quando destacou o desempenho do Piauí na geração de emprego. “O Piauí é o primeiro estado do Nordeste e o quinto do Brasil na geração de emprego e renda em 2017, segundo dados do Ministério do Trabalho. Algo de diferente aconteceu no estado, como as políticas públicas do governo voltadas para a geração de emprego e renda".

Pela ordem, segundo João de Deus, os estados que mais avançaram foram Roraima, Mato Grosso, Goiás, Tocantins e Piauí. Na contramão do emprego, ficaram o Rio de Janeiro, Alagoas, Pará, Mato Grosso do Sul e Paraíba. “Isso mostra que é possível a gente fazer um Piauí diferente não com discursos”.

No primeiro momenteo do discurso, João de Deus rebateu a crítica da oposição em relação aos gastos do Gabinete Militar com alimentação na Residência Oficial e no Palácio de Karnak, lembrando que essas despesas não são apenas com o governador Wellington Dias, mas com todas as autoridades - dos municípios, dos estados, do país e até do exterior - que são recebidas pelo chefe do Executivo.

João de Deus sugeriu que deputado Robert Rios proponha a modificação da lei que permite esse tipo de despesa. “Se é para ser contra se é para ser contra tem que ser para todo mundo. No governo passado tinha licitação até para compra de chiclete Trident. Concordo que essa lei precisa passar por uma adequação”, defendeu o deputado.

O governo, acrescentou João de Deus, precisa ter uma verba para bancar a alimentação do governador, dos auxiliares, mas a despesa precisa ser disciplinada para evitar determinados abusos.

“Não que esteja admitindo que isso está acontecendo, mas já vi despesas com toneladas de camarão, compra de lagosta, caixas de chicletes... acho que a lei precisa passar por uma adequação para evitar os excessos. É preciso coerência. Eu não posso ser contra esse governo e ser a favor daquele. Esse não pode, mas aquele pode tudo. Não. Isso seria oportunismo”, reclamou o orador.

João de Deus se colocou à disposição para debater o tema. “Eu me proponho inclusive, se os colegas acharam que é pertinente, abrir uma discussão sobre essa lei para que não se deixe em aberto a compra de qualquer produto. Acho que ela precisa passar por um ajuste, mas o chefe do Executivo estadual, assim como chefe de uma nação recebe autoridades. Daí porque a importância de poder, sim, garantir que essas autoridades possam ser bem recebidas. E por que não fazer com que essas pessoas possam conhecer a gastronomia do Piauí? Essa prática não foi o Piauí que inventou. O mundo inteiro pratica esse tipo de situação, esse tipo de atividade. Ela faz parte do bom relacionamento e daí está prevista em lei. O gabinete do governador tem esse direito”.

Presos

O líder também colocou a questão do sistema penitenciário no Piauí, ressaltando que esse é um problema vivido no Brasil inteiro. “Com certeza se você colocar na ordem de importância o tratamento dados aos presos, a população vai colocar como última prioridade... Será que os colegas só veem crise nos municípios, não veem a crise no Piauí. Só veem a crise no país, mas vem o Piauí como uma ilha? ...Daniel é um dos melhores secretários do governador e que assumiu uma batata quente e um abacaxi que é o sistema penitenciário. O presidente Themistocles Filho sabe disso porque já foi secretário de Justiça”.

João de Deus citou alguns números da atual gestão da Secretaria de Justiça, como a construção de duas novas unidades penais, que estão em andamento com 160 vagas na Casa de Detecção de Campo Maior e mais 600 vagas na. cadeia pública de Altos; a reforma e ampliação da penitenciária de Picos, com 12 novas celas construídas, passando 214 vagas. Ao todo, são 1.194 novas vagas no sistema carcerário do Piauí, que vão reduzir o déficit no sistema prisional. Além dos R$ 5 milhões para compra de e armas e equipamentos para a Sejus, para dar segurança e um tratamento digno aos presos e melhores condições de trabalho para os servidores”.

Apartes

O deputado Dr. Hélio (PR) também falou sobre os equipamentos e investimentos na Sejus, inclusive a abertura de 150 novas vagas para agentes penitenciários. “É preciso cobrar o que realmente precisa ser melhorado, mas reconhecendo o que é feito pelo estado”.

Já Aluísio Martins (PT) destacou a insegurança que reina no Brasil, citando números de pesquisa da Ong Transparência Internacional, que apontou queda de 17 pontos percentuais no combate à corrupção. “Todos esses problemas são frutos desta corrupção...O que precisamos são recursos federais para investimentos em segurança e no sistema prisional... O Rio de Janeiro é um estado sem comando, onde deputados foram presos, conselheiros do Tribunal de Contas também estão na cadeira, onde se perdeu o controle de tudo. O Piauí tem se conduzido com responsabilidade, onde não há denúncia de recursos desviado no âmbito estadual, mas é preciso continuarmos vigilantes”.

Aluísio Martins falou sobre o problema com uma obra da Codevasf na cidade de Boqueirão, lembrando que a mesma tem garantia de cinco anos e vai se recuperada. A estrada foi destruída pelas fortes chuvas. Por fim, citou a necessidade da operação tapa-buraco na estrada entre Campo Maior a Castelo,

O deputado Francis Lopes também comemorou os dados positivos levados para a tribuna pelo líder do governo, citando as obras realizadas em todo o Piauí.

Comentários