Política Nacional

PDT ameaça pedir a anulação da eleição por fraude

Folha denunciou contratos de R$ 12 milhões para divugação de fake news
Fonte: Estadão Conteúdo | Editor: Paulo Pincel 18/10/2018 14:22
O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi O presidente nacional do PDT, Carlos LupiFoto: Agência Brasil

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, informou que ingressará com uma ação no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) questionando o resultado do primeiro turno da eleição presidencial pelo que chamou de suspeita de "fraude eleitoral".

Segundo ele, o departamento jurídico do partido ainda avalia a que instrumento jurídico recorrerá, entre eles pedidos de nulidade ou cancelamento do pleito deste ano.

Para Lupi, é de uma "gravidade imensurável" denúncia publicada nesta quinta-feira (18) pela Folha de S.Paulo de que empresas compraram pacotes de disparos de mensagens contra o PT no WhatsApp.

A prática é ilegal, já que se trata de doação empresarial a campanha eleitoral, o que é vedado pela legislação eleitoral.

"Eles estão praticando uma ilegalidade grave que pode ter influenciado no processo eleitoral", disse.
O candidato do partido, Ciro Gomes, ficou em terceiro lugar na disputa eleitoral deste ano, atrás de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).

Em reportagem publicada na madrugada desta quinta-feira (18) a Folha de São Paulo revelou um esquema onde empresas apoiando o candidato Jair Bolsonaro (PSL) compraram um serviço chamado "disparo em massa", para divulgar mensagens contra o PT no WhattsApp e preparam uma grande operação na semana anterior ao segundo turno.

Foram descobertos contratos de R$ 12 milhões. Prática viola a lei por ser doação não declarada.

Comentários