Política

Partidos brigam para saber quem assume governo em 2022

Ciro Nogueira pode perder o apoio do PMDB, avisa João Mádison
Fonte: PMDB | Editor: Paulo Pincel 29/11/2017 07:30
João Mádison, Themístocles Filho e Wellington Dias João Mádison, Themístocles Filho e Wellington DiasFoto: Jorge Henrique Bastos/PK/CCom

Até ontem aliados, PMDB e PP agora brigam pelo direito de indicar a candidatura de vice-governador, mas de olho nas eleições de 2022. O pensamento é o mesmo entre os partidos da base do govrnador Wellingto Dias: como vem sendo praxe há várias eleições, o vice-governador deverá assumir o Estado em abril de 2022 com o afastamento de Wellington Dias para se candidatar ao Senado Federal.

O deputado estadual Mauro Tapety, falando a plenos pulmões, tamanha a convicção do que afirmava, foi objetivo ao falar sobre o que está em jogo: as eleições de 2022. Essa certeza foi externada durante conversa com os jornalistas no Plenário da Assembleia Legislativa, durante a sessão desta terça-feira (28), de que a chapa ideal seria Wellingon, Ciro e Marcelo, mas uma quarta força política poderá surgir na base governista: o ex-senador João Vicente Claudino, que deve retornar ao PTB para disputar um mandato eletivo nas próximas eleições.

O líder do PMDB na Assembleia Legislativa, João Mádison, foi mais longe. O PMDB pode não apoiar a reeleição do senador Ciro Nogueira em 2018 “O PMDB quer votar no senador Ciro. Agora se o que estão dizendo for verdade, que o senador Ciro está colocando empecilho para que o PMDB participe da chapa majoritária, o PMDB vai tomar uma decisão também de não apoiá-lo numa candidatura a senador. Esta foi a decisão”.

A sinceridade de João Mádison é marca registrada do parlamentar, que vibra com a vitória dos amigos. “Ciro é meu amigo pessoal, eu quero votar nele, e espero que isso não seja verdade. Se for verdade vamos apoiar outro candidato. Temos aí o Wilson Martins que é um amigo também e não vejo motivo para o PMDB apoiar alguém que não quer o PMDB na chapa”, avisou o deputado.

Comentários