Geral

SIMEPI quer combater a corrupção, mas tem médico que nega recibo de consulta

A campanha tem o intuito de levar à população esclarecimentos sobre a importância do voto consciente nas eleições de 2018
Fonte: Leal Comunicação | Editor: Luiz Brandão 04/10/2017 16:28
lançamento de campanha lançamento de campanhaFoto: leal Comunicação

O Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí (SIMEPI) lançou na manhã de ontem (03) a campanha “Diga Não à Corrupção” e contou com representantes da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Piauí (OAB-PI), Ministério Publico Federal, Tribunal de Contas do Estado do Piauí, Associação dos Magistrados Piauienses, Tribunal de Justiça e Ministério Público do Estado. A campanha tem o intuito de levar à população esclarecimentos sobre a importância do voto consciente nas eleições de 2018.

Representando uma categoria que tem responsabilidade com a vida humana e abordando assuntos de cunho social, o SIMEPI lança a segunda edição da campanha realizada em 2016 e mostra sua importância em resguardar os direitos, não só da classe médica como da sociedade piauiense, assim como atuar junto aos órgãos fiscalizadores, entidades civis e a sociedade em geral.

“Todos os representantes de órgãos que estiveram presentes, puderam observar que nossa campanha vem como um reforço às suas atividades e puderam perceber que não estão sós nessa luta. A campanha tem o intuito de chamar a atenção da sociedade para o voto consciente e contra a corrupção, atuando junto a órgãos e entidades fiscalizadoras, para que juntos façamos uma força única para combater a corrupção que assola o nosso país”, comenta Lúcia Santos, diretora do SIMEPI e da Federação Nacional dos Médicos (FENAM).

Samuel Rêgo, presidente do SIMEPI, frisa a importância do sindicato trabalhar o social com esse evento. “O SIMEPI vem desenvolvendo vários trabalhos na area social. Já realizamos workshop sobre suicídio, realizaremos eventos sobre a importância do Autismo e estamos com esse evento para combater a corrupção. São trabalhos de extrema relevância e o sindicato tem esse papel de estar contribuindo para a melhoria social. Aqui, trabalhamos arduamente para levar e mostrar à sociedade todo o potencial do que podemos desenvolver, a fim de que a sociedade torne-se cada vez melhor”, declara.

“Diga Não à Corrupção” é uma campanha que irá acontecer por tempo indeterminado. O evento abriu o calendário de eventos de outubro, o Mês dos Médicos, que o Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí realiza para profissionais, acadêmicos e sociedade em geral, coroando também a aquisição da sede própria.

EXEMPLO - Uma boa iniciativa do Sindicato dos Médicos para dar o exemplo de campbate a corrupção é orientar e exigir que todos os médicos emitam recibos e notas fiscais de pagamentos de consutas e outros procedimentos médicos. Há muitas informações de que médicos sonegam impostos ao não emitirem recibos e notas fiscais de consultas e outros serviços.

A seguir as opiniões de autoriades que particiaparam

Ricardo Gentil - Corregedor Geral da Justiça do Piauí (TJ-PI) - “Uma atuação de louvável. O sindicato composto por médicos, pessoas conceituadas, tem o dever de praticar essas ações. Observo que isso vem se repetindo e é um habito que o sindicato já colocou em prátic. São os médicos dizendo não à corrupção e saindo do imobilismo, fazendo a parte que compete a eles neste latifúndio social”.

Dr. Chico Lucas - Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Piauí (OAB-PI) - “É importante que o eleitor tenha consciência de que o voto dele não tem preço. Se ele vender o voto, vai trazer um desalento para a administração. Parabenizo o SIMEPI pela iniciativa e precisamos conclamar outras categorias, inclusive os advogados, a participar desta campanha”.

José Inaldo - Diretor de Gestão e Informação Estratégica de Combate à Corrupção do TCE-PI - “Toda responsabilidade social de um órgão, como o Sindicato dos Médicos, é fundamental, salutar, dinâmica, importante, representativa de todo o contexto dos médicos e, logicamente, encorajadora”.

Thiago Brandão de Almeida - Juiz e Presidente da Associação dos Magistrados do Piauí (AMAPI) - “Esta é uma ação de nobreza, de preocupação com os interesses públicos. Nós da Magistratura estamos a aplaudir este tipo de campanha de uma entidade que agrega uma categoria profissional, os médicos, se voltar para a defesa do interesse público e isso nos incentiva a fazer o mesmo em nossas entidades”.

Israel Gonçalves Santos Silva - Procurador do Ministério Público Federal (MPF-PI) - “É importantíssima essa iniciativa do SIMEPI, porque, nessa área de combate à corrupção, são poucas as entidades da sociedade que se unem aos órgãos estatais para o seu combate. É em virtude da corrupção eleitoral que temos o quadro em que o nosso país se encontra hoje, por isso há a necessidade de conscientizar a população de não vender a sua dignidade. Quem vende o voto, vende o direito a saúde, educação e segurança durante aqueles quatro anos de mandato. O sindicato tem andado bem e, juntos com as outras entidades, fará um grande movimento na sociedade, fazendo com que essa corrupção diminua”.

João Batista Luzardo Soares Filho - Procurador Regional do Trabalho (MPT-PI) - “Não existe cidadania sem a participação de entidades que estejam ligadas à sociedade. O sindicato tem um papel importante na defesa dos interesses dos trabalhadores que ele representa, mas se ele passa também a trabalhar junto à sociedade em campanhas educativas e de combate à corrupção, não só na consequência, mas na causa também, torna-se ainda mais importante”.

Kelston Pinheiro Lages - Procurador do Ministério Público Federal (MPF-PI) - “Uma iniciativa extremamente louvável, na medida que a população brasileira carece muito de conscientização sobre a importância que tem o voto na vida de cada um de nós. Essa campanha se faz oportuna, sobretudo nessa triste conjuntura política, social e econômica que nos encontramos, porque ela visa esclarecer a população dos seus direitos, da importância que é votar e escolher bem seus parlamentares, para que estes não defendam seus interesses particulares e sim os públicos. Espero que replique para outras entidades, que todos possam se engajar e ver a importância de encarar de frente este desafio, que é escolher bem os nossos representantes”.

Comentários