Geral

Maternidade do Dirceu passa por vistoria do MP e Conselhos

Os órgãos encontraram algumas irregularidades
Fonte: Com informações da Ascom 24/08/2018 09:25
Grávida GrávidaFoto: Capesesp

O Ministério Público do Piauí, através do promotor de Justiça Eny Marcos Vieira Pontes, vistoriou, juntamentente com presidente do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 14ª Região (Crefito 14/Piauí), Marcelino Martins, e presidente do Conselho Regional de Enfermagem, Tatiana Melo, o atendimento às gestantes e aos recém-nascidos na Maternidade Wall Ferraz, no Grande Dirceu.

"Na última vistoria não havia atendimento de fisioterapia e nem terapia ocupacional para as gestantes. Os atendimentos fisioterapêuticos nas UTI neonatais continuam sendo realizados 24 horas diárias, porém, na UCINCO, o atendimento fisioterapêutico segue sendo realizado só no turno da manhã, de segunda a sexta-feira. Não existe reserva técnica do profissional fisioterapeuta para substituírem os profissionais que entram de férias ou que apresentam alguma intercorrência grave que não possa comparecer ao trabalho", frisa Marcelino Martins.

A vistoria ocorreu na terça-feira (21) e o Crefito 14 fez uma avaliação das questões relacionadas à assistência fisioterapêutica que os profissionais realizam na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e na Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCINCo) para verificar o que foi feito depois da última visita feita pelos órgãos, no dia 5 de julho.

Ainda de acordo com Marcelino Martins, os profissionais de saúde de maneira geral, inclusive da fisioterapia, continuam reclamando da falta de repouso digna para os plantonistas da noite. Alguns dormem em cadeiras, chegando a ser necessário o compartilhamento de repouso misto.

Também há reclamações sobre falta de roupa disponibilizada pela maternidade para o horário de plantão, obrigando os profissionais a adquirirem a própria vestimenta e levá-las para suas casas carreando bactérias para seus domicílios, colocando em risco seus familiares. "Isto acontece desde que a maternidade fechou a sua lavanderia e terceirizou a lavagem de toda roupa do local", comenta Marcelino

Também foram verificados dois ventiladores mecânicos com defeito e um que estava no berço de uma criança prematura com uma gambiarra. Após a fiscalização, os órgãos tomarão as medidas necessária para o bem-estar da população e dos profissionais.

Comentários