Economia

Mercado informal ganha força em meio ao desemprego

"Está crescendo a informalidade no país", disse o coordenador de Trabalho e Emprego do IBGE, Cimar Azeredo
Fonte: Noticias ao minuto | Editor: Redação 01/07/2017 08:27
Carteira de Trabalho Carteira de TrabalhoFoto: Reprodução

Apesar da taxa de desemprego ter se mantido estável entre março e maio, a qualidade do emprego no país continuou a piorar.

No primeiro trimestre do ano, terminado em maio, o Brasil registrou 13,7 milhões de desempregados, o que representa 13,3% da população em idade ativa. No trimestre anterior, a taxa era de 13,2%.

No entanto, segundo informações da Folha de S.Paulo, essa aparente estabilidade foi sustentada pelo aumento de 2,2 % no número de trabalhadores no setor privado sem carteira assinada (mais 221 mil pessoas em relação ao trimestre encerrado em fevereiro) e de 3% no número de empregados do setor público (mais 329 mil pessoas).

Somado ao aumento dos postos informais, os brasileiros voltaram a recorrer ao trabalho por conta própria: 216 mil passaram a trabalhar como autônomos, 1% a mais que no trimestre que terminou em fevereiro.

Já no mercado formal, o número de trabalhadores caiu em 479 mil: o 12º trimestre consecutivo de queda.

"O trabalho registrado é muito importante na vida do trabalhador brasileiro, já que representa ter fundo de garantia, plano de saúde, auxílio-alimentação", disse o coordenador de Trabalho e Emprego do IBGE, Cimar Azeredo.

Ele ressaltou que, em dois anos, 2,7 milhões de postos de trabalho com carteira foram perdidos.

"Está crescendo a informalidade no país", concluiu.

Comentários

Matérias Relacionadas