Política

Mauro Tapety reage à critica contra suplentes

“Não tenho vergonha de estar aqui na qualidade de suplente. É constitucional nossa posse"
Fonte: Alepi | Editor: Paulo Pincel 05/10/2017 19:40
Deputado estadual Mauro Tapety (PMDB)_ Deputado estadual Mauro Tapety (PMDB)_Foto: Paulo Pincel

O deputado estadual Mauro Tapety (PMDB) rebateu as críticas do líder da opocição naAssembleia Legislativa, deputado Robert Rios (PDT), sobre o número excessivo de suplentes em plenário. Segundop Tapety, a lei maior - a Constituição federal de 1988 - garante a posse do suplente na vacância do mandato - por morfte oui posse do titular em cargo no Executivo.

“Não tenho vergonha de estar aqui na qualidade de suplente, e nenhum dos senhores que também estão aqui nessa qualidade tem vergonha. Eu tive a curiosidade de procurar as três últimas legislaturas para mostrar o número de suplentes que já ocuparam essa Casa", reagiu.

Mauro Tapety citou os governos Wellington Dias e Wilson Martins e fez uma comparação com o atual governo atual. "No segundo mandato do governador Wellington Dias tínhamos 9 suplentes na Casa. No segundou mandato do governador Wilson Martins, que foi eleito, nós tínhamos 9 suplentes também. Hoje nós temos 11, e isso não é nada anormal. Inclusive é normal em todas as Casas Legislativas algum deputado titular assumir algum cargo no executivo e a Lei obriga e permite que a vaga desse parlamentar seja ocupada. E nós aqui estamos fazendo o nosso papel com coragem e dignidade, sem depender de ninguém”, reagiu Mauro Tapety.

O deputado Robert Rios vem criticando sistematicamente a bancada suplente por achar o número de deputados excessivo. “Nós temos um número grande de deputados suplentes nessa Casa que só aprovam os projetos do Governador”, criticou.

No atual governo, são 11 deputados (efetivos ou suplentes) exercendo função de secretário de Estado: Flávio Nogueira Jr (PDT), Francisco Limma (PT), Fábio Novo (PT), Fábio Xavier (PR), Gessivaldo Isaias (PRB), Hélio Isaias (PP), Janaína Marques (PTB), Nerinho (PTB), Pablo Santos (PMDB), Zé Santana (PMDB) e Ziza Carvalho (PORS).

Comentários