Mundo

Maduro e oposição iniciam negociação por novo diálogo de paz

Ambos os grupos aceitaram o convite do presidente dominicano, Danilo Medina, para tentarem negociar um acordo que ponha fim a crise que atinge a Venezuela
Fonte: Folhapress | Editor: Redação 14/09/2017 08:30
Foto FotoFoto: Reprodução

Representantes do governo venezuelano e da oposição viajaram nesta quarta-feira (13) para a República Dominicana para iniciarem um processo que pode levar a uma nova rodada de conversas entre os dois lados.

Ambos os grupos aceitaram o convite do presidente dominicano, Danilo Medina, para tentarem negociar um acordo que ponha fim a crise que atinge a Venezuela.

Os diálogos em si, porém, ainda devem demorar para começar. No momento, governo e oposição se encontraram separadamente com Medina para estabelecerem as condições de negociação.

"Conversando as pessoas se entendem, é isso que viemos dizer, vamos nos sentar e discutir para chegar a um acordo", disse Jorge Rodríguez, indicado pelo ditador Nicolás Maduro como represente do governo nas conversas.

Segundo ele, governo e oposição estão "muito perto de resolverem alguns pontos essenciais."

A oposição, que está representada por um grupo de deputados e dirigentes, avisou que a ida para a República Dominicana não significa um início de diálogo.

Para que as conversas de fato avancem, a coalizão opositora MUD (Mesa de Unidade Democrática), apresentou na terça (12) uma série de exigências, entre elas a realização de uma eleição presidencial em 2018, a libertação de opositores presos, o respeito a autonomia do Parlamento (que tem maioria oposicionista) e uma ação imediata para resolver a crise econômica no país. Maduro não respondeu se aceita as condições.

"Para um diálogo, devem estar o Vaticano, a ONU, os governos democráticos com peso mundial, tudo com uma agenda clara e com garantias. Isso é possível? Maduro tem a resposta", disse nesta quarta o líder opositor Henrique Capriles.

Caso o diálogo ocorra, não será a primeira vez que Maduro e opositores aceitam sentar à mesa de diálogo.

O Vaticano mediou um processo de conversa entre chavismo e oposição no final de 2016. A oposição, porém, se retirou em janeiro deste ano, quando acusou Maduro de descumprir a promessa de soltar os presos políticos.

Comentários