Política

Líder do Governo se despede do mandato na Assembleia

João de Deus foi aparteado por todos os deputados presentes em plenário
Fonte: Alepi | Editor: Paulo Pincel 27/03/2018 16:15
Líder do Governo, deputado João de Deus (PT) Líder do Governo, deputado João de Deus (PT)Foto: Paulo Pincel

O deputado João de Deus (PT) se despediu hoje (27) do mandato na Assembleia Legislativa, na condição de suplente convocado e de líder do Governo, quando fez um relato sobre sua atuação, convivendo pacificamente com todos os colegas de parlamento, certo de que cumpriu sua missão sem se meter nas questões específicas de cada um e procurando encaminhar as questões de governo, sempre reconhecendo o papel da oposição.

João de Deus disse que sai da Casa com a consciência tranquila e pediu desculpas se por acaso cometeu alguma injustiça com os colegas, dabase do governo e da oposição. Ele ressaltou que chegou para a Assembleia em abril de 2015 e que foi líder do governo em doismomentos. Agradeceu ao governador pela indicação e aos colegas pela boa convivência. Os agradecimentos de João de Deus foram extensivosaos funcionários da Assembleia e aos jornalistas que cobrem os trabalhos legislativos.

O deputado Rubem Martins (PSB) ofereceu aparte reconhecendo o trabalho de líder do colega em despedida e parabenizando-o pelo bom desempenhoda função. Outro aparteante foi o deputado Aluísio Martins (PT), que parabenizou o colega pelo bom desempenho do cargo e pelo modorespeitoso com que tratou a todos. O deputado Dr. Hélio (PR) também reconheceu o trabalho de líder do orador, desejando que ele retorne napróxima legislatura.

Também o deputado Evaldo Gomes (PTC) ofereceu aparte, lembrando a convivência que tivera com João de Deus, na Câmara Municipal e tambémo acompanhamento que fez de sua atuação como líder sindical. Desejou que ele retorne à Assembleia. O deputado Francis Lopes (PTC) disse quepassou muito tempo fora do Piauí, mas que acompanhava o trabalho de João de Deus na Educação. Para ele, o Piauí perderá muito se ele nãoretornar à Assembleia.

O deputado Cícero Magalhães (PT) disse que chegou à Câmara Municipal de Teresina quando João de Deus saia para a Assembleia. Observou quena liderança do governo o deputado nem sempre é reconhecido, mas que João de Deus teve o reconhecimento de todos os colegas, inclusive osda oposição. Robert Rios, líder da oposição, observou que João de Deus foi o deputado que exerceu por mais tempo a liderança do governo e quecomo tal teve o reconhecimento de todos os colegas. Ele disse que não estará na Assembleia na próxima legislatura, mas que deseja o retornode João de Deus.

Dr. Pessoa (Solidariedade) foi outro que ofereceu aparte, destacando a boa convivência que teve com o líder, afirmando que o governo não teráoutro líder igual. Dr. Pessoa disse que não suportaria ser um líder de governo. O deputado Edson Ferreira (PSB) reconheceu a capacidade deJoão de Deus na liderança do governo, especialmente a sua boa convivência com os colegas. B. Sá (PP) disse que não esperava serconvocado para a Assembleia, mas que adquiriu experiência com o colega João de Deus. Disse mais que espera reencontrá-lo no próximo ano comodeputado.

Mauro Tapety (MDB) disse ter acompanhado o trabalho do colega João de Deus, desde quando ele foi dirigente sindical, e que chegou a pensarque ele fosse um radical, mas o que viu foi um líder do diálogo e que deixa um bom legado. Júlio Arcoverde (Progressista) disse que nãoconhecia pessoalmente o líder sindical João de Deus, que ele esperava fosse um radical, mas que viu nele um político do diálogo. LisiêCoelho (MDB)disse ter sido bom conviver com o colega líder do governo, em oito anos de mandato e que espera seu retorno à Assembleia.

Os deputados Gustavo Neiva (PSB) e Henrique Rebelo (PTC) foram os últimos a apartearem o orador, o primeiro dizendo que já conhecia Joãode Deus, mas que não esperava dele o bom debate, embora o admirasse. Desejou a ele boa sorte e o retorno à Assembleia. Henrique Rebeloexternou sua admiração pelo colega que deixa a Casa, desejando que ele retorne na próxima legislatura.

Comentários