Política

Líder chama denúncia da oposição de "disco furado"

Francisco Limma reclamou do discurso repetitivo dos adversários
Fonte: Alepi | Editor: Paulo Pincel 17/04/2018 13:52
Líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Francisco Limma (PT) Líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Francisco Limma (PT)Foto: Caio Bruno/Alepi

O líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Francisco Limma (PT), lamentou que a oposição venha insistindo em denunciar sem provas, repetindo há vários dias uma acusação contra o governo, como “um disco furado”, quando deveria se manifestar a favor da vinda das verbas, inclusive apresentando propostas para a aplicação desses recursos.

“Os deputados deveriam fazer proposições para que esses recursos possam entrar no Piauí via órgãos federais, como a Codevasf, que é presidida por um Piauiense, para atender as demandas do Estado. A gente não ouve uma palavra sequer da oposição em defesa da chegada desses recursos.

Tenho a sensação de que essa discussão tem como objetivo único inviabilizar essas operações de crédito”, avaliou o deputado.

Segundo Limma, todas as operações de crédito realizadas pelo governo tem as obras elencadas, com valores estabelecidos e prazos para execução. “A análise da prestação de contas dessas obras sequer foi concluída pela Caixa Econômica Federal. Então cabe ao responsável pela liberação dos recursos o parecer final sobre essa prestação de contas sobre a aplicação das verbas”.

O líder governista criticou o relatório preliminar de auditoria, que foi apresentado como se fosse prova definitiva de algum ilícito nessas operações. “O que há é uma tentativa de inviabilizar a chegada desses recursos, inclusive com a repetição de que ouve desvio de finalidade. Os recursos estão sendo aplicados em obras de infraestrutura, saneamento em vários municípios. Esses são os fatos. Não há dá parte do governo qualquer intenção de impedir a fiscalização, mas se percebe o objetivo claro de inviabilizar a vinda desses recursos e de confundir a opinião pública”.

Comentários