Geral

Greve de agentes vai afetar 15 penitenciárias no Piauí

Os agentes penitenciários do Piauí inciam greve geral na segunda-feira (11)
Fonte: Alinny Maria 08/09/2017 11:09
Agentes penitenciários deflagram greve por tempo indeterminado Agentes penitenciários deflagram greve por tempo indeterminadoFoto: Divulgação

Os agentes penitenciários do Piauí vão paralisar as atividades por tempo indeterminado a partir de segunda-feira, dia 11, em todas as Unidades Prisionais do Estado. A categoria reivindica o reajuste salarial, o pagamento de insalubridade de acordo com a lei, garantia quanto a nomeação de Agentes Concursados e melhores condições de trabalho.

Segundo o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí (Sinpoljuspi), José Roberto Pereira, desde março deste ano o Sindicato vem solicitando reunião com o Governador, mas não obteve nenhuma resposta.

Com a greve ficam suspensas algumas atividades nos presídios, como visitas aos presos, até mesmo de advogados, transferência de detentos ou qualquer outra atividade externa, que não seja de urgência.

Presidente do Sinpoljuspi, José Roberto Pereira Presidente do Sinpoljuspi, José Roberto Pereira/ Foto: Paulo Pincel

O Sinpoljuspi denuncia ainda o descaso com o Sistema Prisional do Piauí. Segundo o Sindicato, dados citados pela Secretaria de Justiça, demonstram que em 2004 existiam apenas 1.607 presos no Estado, enquanto na atualidade são cerca de 4.600 presos. Na análise desses dados o Sindicato considera que enquanto o número de presos cresceu mais de 3.000 foram criadas apenas de 300 vagas no mesmo período, resultando em uma sobrecarga de trabalho insuportável para os Agentes Penitenciários, uma vez que no mesmo período o número de Agentes permaneceu estagnado.

José Roberto acrescenta ainda que o governo não cumpriu acordos feitos com o Sindicato e que isso também contribuiu para a categoria deliberar pelo movimento grevista, já que a busca de entendimento com o Governador decorreu de acordo firmado no final do ano passado no Tribunal de Justiça do Estado.

Comentários