Geral

Piauí quer obter recursos com preservação ambiental

Governo quer receber créditos pela preservação da fauna e flora nativas
Fonte: Governo do Piauí | Editor: Redação 06/10/2017 10:20
Audiência com diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro, Raimundo Deusdará Audiência com diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro, Raimundo DeusdaráFoto: André Oliveira

O Piauí quer lucrar com a preservação das suas matas e vai buscar recursos federais junto ao Ministério do Meio Ambiente. Ontem (6), o governador Wellington Dias participou de audiência no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), com o diretor-geral de Serviço Florestal Brasileiro, Raimundo Deusdará. Em pauta a proposta semelhante ao Programa Ativo Verde, que objetiva a obtenção de créditos florestais a partir da preservação da fauna e flora nativas das várias regiões do estado.

“A proposta é criar mecanismos através de uma nova lei, que segue os moldes da que está sendo criada em Goiás, que permite que o Piauí garanta a preservação da área nativa e se beneficie financeiramente”, explicou o governador.

O Ibama vai disponibilizar ao governo do Piauí todas as informações disponíveis sobre como obter esses créditos. O Ibama conseguiu captar mais de 1,4 bilhão de reais com esse tipo de programa.

O governador também discutir as soluções das pendências junto ao Ministério do Meio Ambiente para a ampliação do Parque Nacional da Serra das Confusões. “Dois terços da ampliação foram construídos ainda lá atrás, no governo do presidente Lula. E aqui recebemos as orientações para a conclusão deste 1/3”.

Wellington Dias com Raimundo Deusdará
Wellington Dias com Raimundo Deusdará

Energia

Wellington Dias também esteve com o ministro interino das Minas e Energia, Paulo Pedrosa, negociando as dívidas da União com o Piauí em relação à federalização da Cepisa, hoje Eletrobras-Distribiuição Piauí.

Segundo o governador, há previsão da realização de um leilão de energia agora em dezembro, inclusive dos linhões que vão permitir a conexão com Milagres, no Tocantins, em direção a Corrente, Gilbués e São João do Piauí, além da região de Lagoa do Barro e Queimada Nova, que também vão ganhar reforço de carga elétrica, com as energias eólica e solar, com grandes parques que estão sendo construídos no Piauí.

Comentários