Geral

Gerente do INSS no PIauí se reúne com representantes da Fetag para tratar de atendimento e perícia médica

Os sindicalistas apresentaram uma lista de reivindicações e muitas queixas em relação à demora na realização de perícias médicas nas Agências da Previdência
Fonte: Comunicação INSS/PI | Editor: Redação 22/03/2017 15:37
Ney Ferraz e técnicos do INSS com representantes da Fetag Ney Ferraz e técnicos do INSS com representantes da FetagFoto: Luiz Brandão

Representantes da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Piauí (FETAG) se reuniram na manhã desta terça-feira (21) com gerente executivo do INSS em Teresina, Ney Ferraz; com o chefe do Serviço de Benefício, William Machado, e com o chefe da Seção de Saúde do Trabalhador do INSS no Piauí, Cristovam Alves. A reunião foi no gabinete do gerente. Os sindicalistas apresentaram uma lista de reivindicações e muitas queixas em relação à demora na realização de perícias médicas nas Agências da Previdência Social em todo o estado.

Segundo a presidente da FETAG no Piauí, Elisângela Moura, muitos trabalhadores que precisam de auxílio doença estão sendo prejudicados porque as perícias caem para uma data distante. “Em São Raimundo Nonato, a 576 quilômetros de Teresina, por exemplo, só há vagas para perícias no mês de setembro”, destaca Elisângela.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de União, Laurentino Bezerra, também estava na reunião. Segundo ele, apesar de haver uma agência do INSS em União, os segurados precisam viajar para Teresina, se quiserem fazer perícia médica, pois não há peritos na cidade, localizada a 59 quilômetros da capital. “Pra nós é muito transtorno. O ideal seria que fôssemos atendidos em nossa cidade”, relatou Laurentino.

O gerente executivo do INSS no Piauí garantiu a eles que as providências já estão sendo tomadas para melhorar o atendimento. Uma delas é deslocar grupos de trabalho com servidores para as cidades onde a situação é mais crítica, como Valença e Picos. “O problema é que trabalhamos com quadro reduzido de servidores. Se queremos levar servidores para uma cidade, precisamos tirar de outra”, explicou Ney.

A equipe do INSS reconheceu que faltam mais médicos peritos para a instituição. “O último concurso para peritos foi realizado há sete anos e alguns dos que foram aprovados saíram da instituição em pouco. Atualmente, no Piauí, são 54 médicos nesta função. Seriam necessários pelo menos mais 10 peritos médicos no nosso quadro”, disse o perito médico Cristovam Alves.

Ney Ferraz explicou que o INSS fez o credenciamento e contratou, temporariamente, peritos para cidades como São Raimundo Nonato e Floriano. “Este contrato termina no dia 22 de junho e estamos em busca da prorrogação, como também estamos tentando credenciar médicos para resolver as demandas de perícias nas agências das cidades de Valença, Oeiras e Picos”, concluiu.

Comentários