Política Nacional

Ex-procurador estaria ‘afinado’ com a JBS, revela áudio de ligação

Fonte: Veja 05/09/2017 07:30
Procurador Marcelo Miller Procurador Marcelo MillerFoto: Veja

O diretor da JBS Ricardo Saud disse em conversa telefônica com um dos donos da companhia, o empresário Joesley Batista, que o procurador Marcelo Miller, que atuou por três anos no gabinete do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, estava “afinado” com eles e que estaria encaminhando o acordo de colaboração premiada que viria a ser fechado.

O diálogo ocorreu, provavelmente, no dia 17 de março, dez dias depois da conversa gravada por Joesley com o presidente da República, Michel Temer (PMDB), no Palácio do Jaburu, e dez dias antes de o acordo com o Ministério Público Federal ser efetivamente fechado. Miller pediu demissão em janeiro de 2017 e, três meses depois, se apresentou à PGR como sócio do escritório Trench, Rossi e Watanabe, contratado do grupo J&F, que controla a JBS, para negociação de acordo de leniência no âmbito cível.

Para Janot, essa sucessão de datas “é importante porque sugere a participação de então membro do Ministério Público Federal em atividade supostamente criminosa e/ou de improbidade administrativa”, disse o procurador-geral da República. “Em alguns trechos, Ricardo Saud afirma que já estaria ‘ajeitando’ a situação do grupo empresarial J&F com então procurador da República Marcelo Miller, bem como que Marcelo Miller estaria ‘afinado’ com eles”, diz trecho do despacho assinado por Janot no qual ele determina a abertura de investigação para apurar o conteúdo do áudio.

Serão investigados, além de Saud e Joesley, o advogado do grupo J&F Francisco de Assis e Silva, que também firmou acordo de colaboração premiada com o MPF. “Em determinada passagem, os interlocutores afirmam que, quando da deflagração da Operação Carne Fraca – que investigou vários frigoríficos do país, alguns deles ligados à JBS – , Marcelo Miller teria enviado extensa mensagem para Francisco de Assis e Silva tentando justificar a situação”, diz outro trecho do despacho de Janot.

“Depreende-se que os interlocutores depositavam esperança de que, por intermédio da pessoa de Marcelo Miller, pudessem obter facilidades junto ao procurador-geral da República, inclusive sugerindo futura sociedade em escritório de advocacia, em troca no processo de celebração dos acordos de colaboração premiada”, escreve Janot no documento.

Desde o início do episódio, o procurador Marcelo Miller não se manifestou sobre sua saída do MPF e sua atuação como advogado do grupo J&F.

Comentários