Educação

Ex-catador de lixo é selecionado para estudar na Universidade de Harvard

Projeto sustentável de energia solar foi selecionado pela Universidade de Harvard
Fonte: Notícias ao Minuto | Editor: Redação 01/10/2018 11:38
Ciswal Santos Ciswal SantosFoto: Site Miséria

Após quatro anos trabalhando como catador de lixo, o pernambucano Ciswal Santos, hoje professor de ciência da computação, teve o seu projeto sustentável de energia solar selecionado pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Formado em física, o professor de 32 anos venceu a falta de oportunidades e se dedicou aos estudos. "Não use a desculpa que você não teve chance, não teve oportunidade, corra atrás daquilo que você acredita, tenha coragem e determinação, e invista tudo, tudo mesmo, em educação, que a recompensa vai valer a pena", disse em entrevista ao UOL.

Santos desenvolveu o projeto de um equipamento que reduz em 70% o consumo de energia de uma residência de uma família de classe média, com quatro pessoas. O professor explicou que o projeto pode ajudar famílias brasileiras a ter energia. "É um projeto ideal para as condições do Ceará, calor o ano inteiro. Essas placas podem ser usadas para gerar energia para iluminação das residências e em muitos equipamentos, só não sustenta motores mais potentes, de geladeira e máquina de lavar, por exemplo. Ele pode ser usado durante dez anos", explica o autor.

Segundo refere o UOL, inicialmente, a ferramenta foi orçada em cerca de R$ 2.200, mas em contato com um pesquisador asiático, Santos conta que já sabe que com peças vindas da Ásia poderá reduzir ainda mais esses custos chegando a um valor R$ 1.200. O objetivo final, segundo o pesquisador, é baratear para um salário mínimo, algo por volta de R$ 900. Santos deve estudar durante um ano e meio – podendo prorrogar o período letivo por outros 18 meses – na universidade de Harvard. As aulas serão ministradas online. Depois desse período de aulas, ele poderá angariar recursos públicos e privados para criar o equipamento de energia solar sustentável.

Comentários