Polícia

Estelionatário é preso tentando sacar R$ 10 mil na Caixa

Erisvaldo Rodrigues foi preso em flagrante na Av. Barão de Gurguéia em Teresina
Fonte: Polícia Civil do Piauí | Editor: Paulo Pincel 30/04/2019 15:37
Erisvaldo Rodrigues de Melo usava identidade falsa Erisvaldo Rodrigues de Melo usava identidade falsaFoto: Reprodução/TV

Uma campana montada pelo Grupo de Apoio Operacional da Gerência de Polícia Metropolitana da Polícia Civil do Piauí e pela Força Tática do 1º BP prendeu em flagrante o falsário e estelionatário Erisvaldo Rodrigues de Melo, dentro da agência da Caixa Econômica Federal, na Avenida Barão de Gurguéia, na zona Sul de Teresina.

Erisvaldo tentava sacar R$ 10 mil usando documentos falsos. O suspeito foi levado para Central de Flagrantes, onde foi autuado por falsidade ideológica e estelionato.

Há alguns meses, o GAO investiga uma série de fraudes cometidas contra o sistema bancário em Teresina. Os bandidos, que podem fazer parte de uma quadrilha, usam documentos falsos para abrir as contas. As cédulas usadas na falsificação são verdadeiras e podem ter sido roubadas do Instituto de Identificação em Teresina.

Há duas semanas, uma outra pessoa, com o mesmo nome [Erisvaldo] foi preso tentando aplicar o mesmo golpe, o que reforça a tese da polícia da atuação de uma quadrilha especializada em fraude contra bancos e instituições que fazem empréstimo de dinheiro.

A polícia ainda não sabe se o nome do preso é mesmo Erisvaldo Rodrigues Melo, que diz ser de Imperatriz (MA) e morar em Teresina há dois anos e sete meses. Opreso disse que trabalha com compra e venda de madeira aqui no Piauí. Eu cheguei na Caixa Econômica, tenho conta lá desde 2017, eu fui lá para sacar um dinheiro semana passada e vi minha conta bloqueada, aí falei com a gerente, e na sexta-feira eu retornei, e ela informou que minha conta estava no sistema de segurança da Caixa”, contou.

Depois de uma ligação da gerente, o suspeito decidiu retornar à Caixa Econômica Federal nesta terça-feira (30) e se deu mal. “Eu não entendi bem e retornei hoje pela manhã, ao chegar lá demorou o atendimento. Em seguida a gerente falou que me ligaria, quando ela me ligou eu retornei à agência mais uma vez, e foi quando me informaram que eu estava com a documentação falsa. Eu tenho consciência do que fiz, mas não sou acostumado com crimes, eu nunca pensei que quando chegasse lá estaria a polícia à minha espera. Mas isso foi bom, porque se eu cometi um crime eu vou pagar”, assumiu o preso.

Comentários