Educação

Entidades criticam Temer após restrição de novos cursos de medicina

Para entidades, medida parece não ter base técnica, com estudos sobre a oferta de vagas e a qualidade dos cursos
Fonte: Estado de S. Paulo. | Editor: Redação 18/11/2017 08:28
Temer TemerFoto: Mercado Popular

As entidades que representam instituições de ensino privadas são contrárias à medida que restringe abertura de novos cursos de medicina por achar que atende a pressões políticas dos conselhos da área e não garante mais qualidade nas graduações. "Os cursos passam por avaliação do próprio MEC. Se tem curso com qualidade deficitária, o caminho deveria ser uma supervisão rígida. Não vejo sentido em impedir a abertura de novos cursos, sob a justificativa de que os que temos são ruins", disse Sólon Caldas, diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior (Abmes).

Para Rodrigo Capelato, do Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior de São Paulo (Semesp), a medida parece não ter base técnica, com estudos sobre a oferta de vagas e a qualidade dos cursos. "Atende à pressão política, sem que essas entidades tenham mostrado onde estão os problemas de ensino ou onde sobram vagas." O Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior enviou ofício ao ministro, pedindo que "pondere a possibilidade" de não levar à frente a medida, diante da "necessidade de formação de profissionais na área".

Comentários

Matérias Relacionadas