Cultura

Em Santos, festival internacional de imagem debate identidade nacional

O festival de fotografia e imagens tem neste ano o tema "Aberto para Obras", uma alusão à frase "fechado para reformas", comumente vista nas ruas do Brasil
Fonte: Folhapress | Editor: Redação 05/10/2017 08:33
Festival internacional de imagem Festival internacional de imagemFoto: Reprodução

"Nos perguntaram se cabras no Benim têm realmente duas cabeças", conta o fotógrafo Bruno Morais. Ele e Cristina de Middel são autores de "Excessocenus", um projeto que, na forma, questiona o suporte fotográfico, e, no conteúdo, dialoga sobre os excessos do mundo atual e suas consequências no futuro.

Eles são alguns dos principais nomes no 2º Valongo Festival da Imagem. O festival de fotografia e imagens, que acontece em Santos desde esta quarta-feira (4) e até domingo (8), tem neste ano o tema "Aberto para Obras", uma alusão à frase "fechado para reformas", comumente vista nas ruas do Brasil.

O casal conta que não quis dar continuidade ao que chamam de fotografia tradicional, que, para Morais, não dá espaço "para que o espectador possa interagir com o assunto ou colocar as suas próprias opiniões".

Assim, eles viajaram com uma mala cheia de objetos diferentes de Moçambique ao Benim, para usar o continente africano como cenário na produção de fotografias que fugissem do estereótipo de miséria e guerra.

A imagem que sintetiza o projeto, para Cristina, é a que mostra um braço de um negro vestindo dois dedos de plástico de borracha branca. De acordo com a fotógrafa, a imagem representa como os africanos são observados pela ótica da cultura europeia.

Outros assuntos que remetem a excessos do mundo contemporâneo também são representados. Um exemplo é o consumo excessivo de açúcar, simbolizado em uma imagem de um menino com um grande bolo no qual está escrito "eat me" (me coma, em tradução livre do inglês).

A crítica contida nessa foto, diz Cristina, refere-se a um tema universal. "Quisemos fazer uma comunicação geral a partir da África."

FESTIVAL

Combater excessos também foi um mote da curadoria do festival, que escolheu apenas quatro fotógrafos para comporem a exposição principal, explica Iatã Cannabrava, diretor do evento.

A exposição, que captou cerca de R$ 750 mil via Lei Rouanet, é gratuita. O festival promove ainda 20 workshops ministrados por grandes nomes da fotografia como o inglês Jack Latham, Eustáquio Neves e Ana Lira, além de mesas de debates e reflexões.

VALONGO FESTIVAL

Quando: 4 a 8 de outubro

Onde: Rua Tuiti, 26 e arredores do bairro do Valongo, em Santos

Programação: Valongo.com

Com informações da Folhapress.

Comentários