Economia

Economistas veem melhora no próximo ano, após recessão

Com a economia brasileira apresentando crescimento mais vigoroso, concessões aumentarão 7,5%.
Fonte: Noticias ao minuto | Editor: Redação 16/09/2017 14:20
Imagem ilustrativa Imagem ilustrativaFoto: Reprodução

Ocrédito para empresas tende a passar por um processo de recuperação em 2018, segundo analistas ouvidos pelo Estadão/Broadcast. O desempenho, no entanto, ainda está longe do verificado nos anos anteriores à recessão de 2015-2016.

O economista João Morais, da Tendências Consultoria Integrada, projeta que as concessões de crédito livre para empresas encerrarão 2017 com retração de 5,8%. Em 2018, com a economia brasileira apresentando crescimento mais vigoroso, as concessões aumentarão 7,5%.

No caso do crédito para capital de giro - o mais importante para as pessoas jurídicas -, Morais estima retração de 15,2% nas concessões em 2017. No próximo ano, a projeção é de crescimento de 13%. "Crescer isso em cima de um tombo gigantesco? Não quer dizer tanta coisa", avaliou Morais, para quem o cenário ainda é muito ruim. "Com um crescimento de 13% em capital de giro, que estamos estimando para 2018, ainda devemos ficar com um volume de concessões 60% abaixo do recorde histórico registrado em 2012", disse o economista.

Naquele ano, as concessões de capital de giro somaram R$ 455 bilhões em termos reais (descontada a influência da inflação). Para 2018, a Tendências calcula R$ 185,6 bilhões.

"O que vai melhorar virá do consumo, da própria atividade econômica. Assim, as empresas vão precisar menos de capital de giro", disse Lavieri, ao avaliar o cenário para as empresas. Para ele, o crédito com recursos do BNDES, que no passado teve grande importância, não deve mais ter a mesma relevância. "A redução tem a ver com correção de rumo, com nova orientação."

Mais otimista, Angelo Corsetti, professor de finanças do Insper, defende que o cenário de crédito para empresas já vem melhorando gradativamente, até neste ano. "É claro que os bancos são sempre muito cautelosos, exigem garantias, como duplicatas, mas a propensão dos bancos em oferecer crédito tem melhorado", afirmou. "Com a retomada do crescimento da economia, as perspectivas são favoráveis."

Comentários

Matérias Relacionadas