Economia

Dólar e Bolsa recuam no último pregão antes do 1º turno da eleição

O desempenho foi puxado pelas ações de estatais, que se beneficiariam, na visão de analistas do mercado financeiro
Fonte: Folhapress | Editor: Redação 06/10/2018 10:13
Dólar DólarFoto: Reprodução

No último pregão antes do primeiro turno das eleições que escolherão o novo presidente, a cautela substituiu a euforia que predominou no mercado financeiro durante a semana. A Bolsa brasileira fechou a sexta-feira (5) em queda e o dólar também recuou.

A Bolsa brasileira cedeu 0,76%, a 82.321 pontos, no pregão de hoje, mas manteve ganho de 3,75% na semana, refletindo a euforia.

O desempenho foi puxado pelas ações de estatais, que se beneficiariam, na visão de analistas do mercado financeiro, de uma vitória de Jair Bolsonaro (PSL). O capitão reformado do Exército lidera as pesquisas de intenção de voto e voltou a crescer na preferência dos eleitores na última semana.

Papéis do Banco do Brasil acumularam alta de mais de 20% na semana. As ações preferenciais da Petrobras subiram 13,6%. Eletrobras também avançou no período.

Desde a segunda-feira, o mercado financeiro passou a especular com a possibilidade de a disputa eleitoral se encerrar ainda no primeiro turno, apesar das principais casas de investimento apontarem chances pequenas de que isso ocorra, na casa dos 10%.

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira apontou que Bolsonaro tem 39% dos votos válidos (descontados brancos, nulos e indecisos); Bolsonaro, 25%. Para vencer a eleição no primeiro turno, um candidato precisa de 50% dos votos válidos mais um.

"O mercado nos últimos dois ou três dias, por causa das pesquisa, entrou em uma vibe de que a solução vai acontecer no domingo. Acho que isso é um pouco de otimismo, acho que não vai acontecer", diz Alexandre Espirito Santo, economista-chefe da Órama.

Bolsonaro é visto como mais inclinado a promover as reformas que o mercado financeiro considera necessárias para o reequilíbrio das contas públicas e a retomada da economia.

O dólar recuou 1%, a R$ 3,8580, em linha com o exterior. A moeda americana fechou no menor patamar desde o começo de agosto, quando a eleição começava a se desenhar.

No entanto, Espirito Santo vê chances de o mercado passar por novo processo de embolso de lucros na segunda-feira. Ele lembra que nos últimos dois dias, o cenário externo foi adverso, com a disparada da taxa de juros de 10 anos dos títulos públicos americanos. As principais Bolsas mundiais fecharam em queda nesta sexta-feira.

Comentários