Mundo

Diplomatas russos serão expulsos de 14 países de UE por ataque a ex-espião

A República Tcheca anunciou a expulsão de três diplomatas russos e de suas famílias e a Dinamarca
Fonte: Agência Brasil | Editor: Da Redação 26/03/2018 15:51
Diplomatas russos e suas famílias, expulsos pelo governo britânico, deixam o Reino Unido em avião enviado por Moscou Diplomatas russos e suas famílias, expulsos pelo governo britânico, deixam o Reino Unido em avião enviado por MoscouFoto: REUTERS/Chris Radburn/Direitos Reservados

Diplomatas da Rússia serão expulsos de 14 países da União Europeia (UE), em represália contra o envenenamento de um ex-espião russo e sua filha em Salisbury, no Reino Unido, anunciou nesta segunda-feira (26) o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk. A informação é da EFE.

"Hoje, 14 Estados-membros decidiram expulsar diplomatas russos como consequência direta das discussões do Conselho na semana passada sobre o ataque em Salisbury. Não estão excluídas medidas adicionais, entre elas mais expulsões, nos próximos dias e semanas", escreveu Tusk no Twitter.

Expulsões

Como consequência direta da medida, a Itália anunciou nesta segunda-feira (26) a expulsão de dois diplomatas russos, informou o Ministério italiano de Relações Exteriores. A Polônia expulsará quatro diplomatas russos, segundo anunciou hoje o ministro polaco de Relações Exteriore.

A República Tcheca anunciou a expulsão de três diplomatas russos e de suas famílias e a Dinamarca avisou que expulsará dois diplomatas russos, que terão uma semana para deixar o país.

Também hoje (26) o presidente dos EUA Donald Trump assinou uma ordem de expulsão de 60 funcionários de inteligência e diplomatas russos em retaliação ao envenenamento de um ex-expião russo na Inglaterra. Os oficiais expulsos estavam à serviço da Rússia em Nova York e na capital Washington. A ordem também determina o fechamento de um consulado russo, na cidade de Seattle, estado de Washington, no noroeste do país.

Ucrânia

A Ucrânia expulsará 13 diplomatas russos em solidariedade com o Reino Unido pelo caso do envenenamento em solo britânico do ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha, anunciou nesta segunda-feira o presidente ucraniano, Petro Poroshenko.

Comentários