Saúde

Depressão na gravidez cresce entre mulheres mais jovens revela pesquisa

Mercado de trabalho, dificuldades financeiras e redes sociais podem estar entre causas de ansiedade e sensação de isolamento.
Fonte: Bem Estar | Editor: Redação 13/07/2018 15:08
Grávida GrávidaFoto: Capesesp

As mulheres jovens de hoje são mais propensas a sofrer de depressão e ansiedade durante a gravidez do que suas mães, constatou uma pesquisa realizada na Inglaterra e publicada nesta sexta-feira (13) na revista científica "JAMA Network Open". De 1990 a 1992, cerca de 17% das mulheres grávidas no sudoeste da Inglaterra que participaram do estudo tinham sinais de depressão. Mas a geração que se seguiu, incluindo as filhas e parceiras dos filhos dessas mulheres, está pior.

Vinte e cinco por cento dessas mulheres jovens, grávidas em 2012 a 2016, mostraram sinais de depressão.

"Estamos falando de muitas mulheres", diz a co-autora do estudo, Rebecca Pearson, epidemiologista psiquiátrica da Universidade de Bristol, na Inglaterra.

Estudos anteriores também sugeriram que a depressão durante e após a gravidez é relativamente comum. Mas esses estudos são datados, diz Pearson. "Nós sabemos muito pouco sobre os níveis de depressão e ansiedade em novas mães hoje", diz ela.

A pesquisa

Para medir sintomas de depressão e ansiedade, os pesquisadores utilizaram as Escalas de Depressão de Edimburgo - 10 perguntas, cada uma com uma pontuação de 0 a 3, escritas para revelar risco de depressão durante e após a gravidez. Uma pontuação combinada de 13 e acima sinaliza altos níveis de sintomas.

De 1990 a 1992, 2.390 mulheres com idades entre 19 e 24 anos responderam a pesquisa durante a gravidez. Destas mulheres, 408 (17%) marcou 13 ou mais, indicando níveis preocupantes de depressão ou ansiedade.

Quando os pesquisadores entrevistaram as mulheres da segunda geração, incluindo as filhas das participantes originais e as parceiras de seus filhos de 19 a 24 anos, os números eram ainda mais altos.

Das 180 mulheres grávidas em 2012 a 2016, 45 delas (25%) marcaram 13 ou mais pontos. Não está claro se os resultados seriam semelhantes para mulheres grávidas com mais de 24 anos ou menos de 19 anos.

"Pânico e medo"

Esse aumento em mulheres jovens com pontuação alta para sintomas de depressão vem em grande parte de pontuações mais altas em questões que indicam ansiedade e estresse, diz Pearson.

"As mulheres grávidas de hoje relataram sentimentos frequentes de 'pânico ou medo desnecessários' e 'coisas ficando insuportáveis'", por exemplo.

Essas descobertas se encaixam nas observações da psiquiatra Anna Glezer, da Universidade da Califórnia, em San Francisco. "Uma parte muito significativa das minhas pacientes apresenta seu problema primário como ansiedade, em vez de um mau humor", diz Glezer.

A pontuação de corte do estudo para indicar alto risco de depressão foi de 13, mas Pearson aponta que uma pontuação mais baixa pode sinalizar depressão leve. As mulheres que marcam 8 ou 9 "ainda não estão se sentindo bem", diz ela.

"É provável que ainda mais mulheres grávidas possam ter sintomas menos graves, mas ainda desagradáveis"

Embora os pesquisadores ainda não saibam o que está por trás do aumento, eles têm algumas suposições. Mais mães trabalham hoje do que nos anos 90, e dificuldades financeiras mais duras levam as mulheres a trabalhar em empregos inflexíveis. Mais estresse, menos sono e mais tempo sentadas também podem contribuir para a diferença. O tempo gasto nas redes sociais também pode aumentar os sentimentos de isolamento e ansiedade, diz Glezer.

"A redes sociais podem ajudar novas mães a obter informações, mas isso geralmente vem com muitas comparações, julgamentos e expectativas".

Impacto da depressão nos filhos

Os pesquisadores também descobriram que filhas de mulheres que estavam deprimidas durante a gravidez tinham cerca de três vezes mais chances de ficarem deprimidas durante a gravidez do que mulheres cujas mães não estavam deprimidas.

Esse risco elevado "foi novidade para mim", diz o obstetra e ginecologista John Keats, que presidiu um grupo do Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas que estudou a saúde mental materna. "Perguntar se a mãe de um paciente teve depressão ou ansiedade durante a gravidez pode ajudar a identificar mulheres em risco", diz ele.

Os efeitos negativos do estresse podem ser transmitidos durante a gravidez de uma maneira que os cientistas estão apenas começando a entender, e interromper esse ciclo é importante.

"Você não está falando apenas sobre os efeitos em um paciente e sua família, mas os efeitos potenciais em seu feto em crescimento e recém-nascido", diz Keats, da Faculdade de Medicina da UCLA.

Comentários

Matérias Relacionadas