Política Nacional

DEM, PP, PR, PRB e SD anunciam apoio a Alckmin

Ciro garante que candidato tucano terá apoio inânime do Progressistas
Fonte: G1 | Editor: Paulo Pincel 26/07/2018 13:51
Centrão oficializou apoio a Geraldo Alckmin nesta quinta-feira (26),  em Brasília Centrão oficializou apoio a Geraldo Alckmin nesta quinta-feira (26), em BrasíliaFoto: Dida Sampaio/ Estadão Conteúdo

Líderes do grupo conhecido como "Centrão" anunciaram nesta quinta-feira (26) o apoio à pré-candidatura do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência da República. Autointitulado "Centro Democrático", o grupo é formado por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade.

O apoio do "Centrão" a Alckmin foi anunciado em um evento em Brasília, do qual participaram, além do próprio ex-governador, líderes dos partidos que integram o grupo.

As negociações entre a campanha de Alckmin e o "Centrão" se intensficaram nas últimas semanas. Com o apoio do grupo, o tucano terá 14min e 47seg a mais de tempo de TV, contando os programas eleitorais diários e as inserções na programação. O tempo de TV do "Centrão" fez o grupo ser alvo de disputa entre outras candidaturasantes da definição por Alckmin.

O primeiro a discursar no evento foi o deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD-SP). Ele destacou o "conjunto de forças" em torno da candidatura de Alckmin.

"Depois de muitas reuniões, centenas de conversas, principalmente entre nós, os partidos, estamos convencidos de que para tirar o Brasil desse buraco que estamos só com um conjunto de forças como esse, que se junta em torno dessa candidatura", afirmou.

O presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), disse que Alckmin conquistou a unanimidade dentro da sigla. Ele afirmou que o ex-governador poderá contar com a "militância aguerrida" do partido.

"Toda a nossa história [do PP] sempre havia uma divisão muito grande, mas o senhor conseguiu a unanimidade dentro do nosso partido. Quero dizer que o senhor vai contar com um partido que tem história, tem trabalho e com a militância aguerrida, e que com o apoio dos outros partidos, vamos te dar condições para conquistar o país, porque história e competência não lhe faltam", afirmou o senador.

Também estiveram presentes no evento o presidente do DEM e prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto e o presidente do PRB, Marcos Pereira.

Em sua fala no evento, o pré-candidato do PSDB afirmou que o grupo se uniu em torno de sua candidatura por "convicção em um grande esforço conciliatório".

"Nós estamos aqui, recebendo o apoio de cinco grandes partidos que tem responsabilidade com o povo brasileiro e com o país. Não me escolheram porque estou em primeiro [nas pesquisas]. Estão vindo por convicção de que temos que esta juntos em um grande esforço conciliatório", disse Alckmin.

Ele citou a crise econômica pela qual passa o país e disse que não há "fórmula mágica" nem "salvador da pátria" para o problema. Ele destacou o "esforço coletivo" e disse que o país tem pressa.

"Para mudar precisamos ter organização, ação conjunta, time, votos. Não é uma pessoa. Não tem ninguém com uma fórmula mágica, não tem um salvador da pátria, tem um esforço coletivo para que a gente possa avançar. Nós temos um causa urgente. O Brasil tem pressa e por isso estamos aqui hoje unidos", discursou.

Vice na chapa

Após o anúncio do apoio do "Centrão", a chapa encabeçada por Alckmin deve agora buscar um candidato a vice-presidente.

Em meio à negociação com o grupo de partidos, foi sugerido pelos líderes das legendas o nome do empresário Josué Gomes (PR), filho do ex-vice-presidente de Luiz Inácio Lula da Silva, José Alencar.

No entanto, com resistências de Josué Gomes para aceitar o convite, as negociações esfriaram. Um dos nomes que surgiram como alternativa, de acordo com o blog do colunista do G1 Gerson Camarotti, é o do ex-presidente da Câmara Aldo Rebelo (SD).

Ao fim do evento do "Centrão", questionado por jornalistas sobre a escolha do vice, Alckmin disse que não tem pressa para a definição.

"Geralmente, o vice complementa a chapa. Não será certamente de São Paulo, e será alguém dos partidos que compõem o Centro Democrático. Temos ótimos nomes, mas não temos pressa", afirmou.

Os partidos do "Centrão" vão retomar as conversas sobre o nome do vice ainda nesta quinta-feira, numa reunião em Brasília.

Comentários