Polícia

Delegados denunciam o "caos" no sistema prisional do Piauí

SIndicato diz em nota que governo perdeu o controle da situação
Fonte: Paulo Pincel | Editor: Da Redação 07/10/2017 13:22
Rebelião em Esperantina e presos feridos (detalhe) Rebelião em Esperantina e presos feridos (detalhe)Foto: Montagem

Os delegados de Polícia Civil do Piauí denunciam o "caos" no sistema prisinal do Piauí. Em nota divulgada no começo da tarde deste sábado (7), o sindicato da categoria afirma que o Governo do Estado perdeu o controle da situação.

"A situação caótica está posta, o governo não consegue mais ter controle. São motins, rebeliões, greve, denúncia de tortura, criança encontrada em cela de preso estuprador", elenca o Sindicato na nota.

Os problemas do sistema prisional, diz a nota, eclodem dentro e fora dos muros das penitenciárias e refletem na insegurança da população.

Confira a íntegra da nota do Sindicato dos Delegados:

"O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Piauí vem externar a preocupação com a crise no sistema prisional do Piauí, agravada nesse sábado (7) com a fuga de quase 80 presos da penitenciária da cidade de Esperantina.

A situação caótica está posta, o governo não consegue mais ter controle. São motins, rebeliões, greve, denúncia de tortura, criança encontrada em cela de preso estuprador, e a Secretaria de Justiça completamente perdida. Os problemas do sistema prisional eclodem dentro e fora dos muros das penitenciárias e refletem na insegurança da população. Os cidadãos estão correndo risco. A população de Esperantina está apavorada. Os policiais civis e militares, que já prenderem todos esses presos, estão agora tendo trabalho redobrado. Estão em busca, novamente, dos mesmos criminosos.

O SINDEPOL lamenta que a situação tenha chegado a este ponto, exige a responsabilização das autoridades do governo, e torce para que as demais consigam contornar a situação e garantir a segurança para os presos, os servidores que trabalham no sistema prisional, e, em especial, à população. A Direção. Teresina, 7 de outubro de 2017"

Comentários