Política

Confira os principais trechos da coletiva de Wellington Dias

Piauihoje separou os principais trechos da entrevista do governador
Fonte: Paulo Pincel | Editor: Alinny Maria 05/02/2018 19:30
Entrevista coletiva com Wellington Dias Entrevista coletiva com Wellington DiasFoto: Jorge Bastos

Depois de falar aos deputados por quase uma hora, o governador Wellington Dias participou de uma entrevista coletiva no Salão Nobre da Assembleia Legisltiva Deputada Francisca Tridande, onde respondeu às perguntas dos jornalistas. Dias falou sobre o atraso do pagamento de terceirizados, a greve da Educação, a ausência da oposição, o afastamento dos secretários que vão disputar mandato eletivo em outubro e sobre a legalização dos jogos de azar como forma de capitaslizar o Fundo Nacional de Segurança.

Oposição ausente

O governador Wellington Dias minimizou a ausência dos deputados de oposição na Assembleia Legislativa. É um direito da oposição, estaria muito feliz em ter o privilégio de fazer minha fala para toda a Assembleia Legislativa. Da minha parte, vou continuar aberto a receber a oposição, trabalhar com a oposição e com todos os municípios, independentemente de serem Governo ou não”

Eleição
Wellington Dias agendou para o dia 7 de abril a primeira data oficial do calendário eleitoral, período de fixação de filiações partidárias e, principalmente, de afastamento de pessoas que estão em áreas de governo, seja no âmbito municipal, estadual ou federal.

Piso da Educação
O governador garantiu que mais uma vez o Estado terá como referência o índice do piso da categoria, já adotado nos anos anteriores. “O Piauí é o único estado brasileiro que desde 2015 segue nessa direção (de cumprir o índice) e queremos fazer em 2018. Tem um problema que nós já tínhamos evidenciado em 2016: por conta da queda do Fundo de Participação entramos no limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal”, explicou Dias. Wellington apontou para o mês de maio um diálogo mais encaminhativo com a categoria, encontrando alternativas pro meio do diálogo com os servidores e o Tribunal de Contas do Estado. O governador ressaltou que Piauí já paga o piso da categoria.

Jogos de Azar
Na mensagem de abertura do ano legislativo, Dias também falou sobre a implantação de um Fundo Nacional de Segurança nos moldes do Fundo Nacional da Educação e do Fundo Nacional da Saúde. Para o financiamento de políticas integradas, a regulamentação de jogos de azar é uma das alternativas apontadas. “Nós temos 70 bilhões de reais para um setor econômico que não é tributado. Tributar uma área dessas não causa problema para nenhum outro setor. Temos que ter a coragem de tomar essa decisão”, afirmou o governador.

Crise Política
A crise política de 2017 não deixou de ser citada pelo governador na mensagem à Alepi. Dias considerou o período como um dos mais desafiadores de sua carreira política. “Nós vivenciamos momentos que se definem de crises, mas é pouco provável, que ao mesmo tempo, em um país, a gente ter crise econômica, crise institucional envolvendo os três poderes: o Legislativo, o Judiciário e o Executivo. Foi um ano que tivemos grande desafios dentro do nosso país e do nosso estado”, relembrou.

Safra
O governador considerou o ano de 2017 como positivo no ponto de vista de volume das chuvas e alertou para a permanência da estiagem em algumas cidades do estado, que lidam com o sexto ano de seca. “São 62 municípios nessa situação bastante desafiadora”, avaliou. Em contrapartida, o Piauí obteve safra recorde com mais de 100% de produção em relação ao ano anterior. Números do Cerrado, na produção de algodão e de grãos, como o milho e a soja. “Por isso priorizamos o seguro safra, mas também manter a rede de proteção aos mais pobres. Destaco o programa Viva Semiárido, em parceria com o Fida e o Banco Mundial, apostando na área de irrigação e na reativação de ações de combate à pobreza rural”, explicou.

Comentários