Cultura

Clássico de Mário de Andrade, ‘Macunaíma’ é encenado em São Paulo

Montagem da Confraria do Elephantes cumpre temporada de 16 de fevereiro a 5 de março na sede Roosevelt da SP Escola de Teatro
Fonte: Secult do governo de São Paulo. | Editor: Redação 01/02/2018 08:10
Imagem Ilustrativa Imagem IlustrativaFoto: Reprodução

Texto clássico da literatura modernista, “Macunaíma – Herói da Nossa Gente” ganha uma nova versão teatral apresentada na sede Roosevelt da SP Escola de Teatro, na capital paulista. A montagem da Confraria de Elephantes com direção e adaptação de Lucas Scalco fica em cartaz de 16 de fevereiro a 5 de março, às sextas, sábados e segundas-feiras, às 21h00, e domingos, às 19h00.

Escrita por Mário de Andrade em 1928, a obra revela parte da pesquisa do autor acerca das lendas e mitos indígenas e folclóricos. Com linguagem dotada de neologismos e da fala popular, a história deste anti-herói brinca com a busca modernista em definir ‘o brasileiro’ – seu caráter e sua personalidade.

Personagem-título do livro, Macunaíma nasce negro à margem do Rio Uraricoera, na Floresta Amazônica, mas vira branco, vai para a cidade com os irmãos e enfrenta todo tipo de gente em sua jornada mítica e repleta de simbolismos. Representações da formação do povo brasileiro e de sua luta contra todos os tipos de exploração a que foi submetido.

+ Em São Paulo, IMS exibe filme de Fritz Lang com trilha sonora ao vivo

Na encenação da Confraria de Elephantes, 18 atores mudam seus papéis no decorrer do espetáculo e dois músicos se contrapõem no palco, promovendo para o espectador um ambiente onírico desenvolvido a partir do universo simbólico que a obra modernista oferece.

A peça realizou uma breve temporada em 2017, na Casa Mário de Andrade. No início do mesmo ano, o primeiro livro de poesias de Mário, “1917 – Há uma Gota de Sangue em Cada Poema” foi encenado pela companhia comemorando o centenário de produção do autor.

Sobre a Confraria de Elephantes

A Confraria de Elephantes nasceu em 2013 a partir do encontro do diretor Janssen Balgobin com os atores Arthur Alavarse, Gustavo Merighi, Jorge Mesquitta e Lucas Scalco. O método “Biomecânica dos Ritos e Teatro Fractal”, desenvolvido pelo diretor Janssen Balgobin é a alicerce do trabalho da Confraria. Em 2015 inaugura, com recursos próprios, o Teatro Espaço Confraria, local onde foram realizados os espetáculos Osho – Cracks of Soul e a primeira temporada de “Nelson Ficção Não-Autorizada de um Pornográfico Apaixonado”. Em 2016, com a parceria do Governo do Estado de São Paulo e a Poiesis, A Confraria de Elephantes ocupou a Casa Mário de Andrade, onde foi realizada a segunda temporada de “Nelson”. No primeiro semestre de 2017, a parceria se fortaleceu e foram realizadas três peças da Confraria de Elephantes; “Nelson” estreou sua terceira temporada na Casa das Rosas, “Amazônia – Zona Imaginária” no Porão da Casa Mário de Andrade e “1917 – Há uma Gota de Sangue em cada Poema”.

Ficha técnica:

Direção e Adaptação: Lucas Scalco | Elenco: Jorge Mesquitta, Arthur Alavarse, Barbara Pereira,Maurício Belfante, Gustavo Merighi, Medeiros, Bruna Aragão, Selma Paiva, Fernanda Avillér, Isabel Oliveira, Zack Stancius,Wendy Hsieh, Riggo Oliveira, Lucas Carduz Rocha, Fabiana Tavares, Jean Amorim, Bia Malagueta e Juvenal Galeno | Músicos: Hércules Laino e Rafael Pinho | Assistente técnica: Helena Rojo | Produção teaser: NAV | Fotos: Leo Xymox | Parceria: Poesis

Serviço

“Macunaíma – Herói da Nossa Gente”

Onde: SP Escola de Teatro, sede Roosevelt (Praça Franklin Roosevelt, 210, Consolação)

Quando: sex., sáb. e seg, às 21h00; dom, às 19h00; De 16/2 a 5/3.

Quanto: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada) – à venda na bilheteria do teatro uma hora antes da apresentação.

Duração: 50 minutos

Quantidade de lugares: 80 lugares

Classificação: 16 anos

Comentários